Anônimo
Anônimo perguntou em Governo e PolíticaGoverno · Há 1 mês

 Acordo assinado pelo governo Bolsonaro garante vacina para apenas 10% da população?

O acordo com a AstraZeneca prevê uma compra de 42 milhões de doses por parte do governo brasileiro. Mas existe a possibilidade de que sejam necessárias duas doses da futura vacina por pessoa. Portanto, a compra significaria o abastecimento para apenas 10% dos brasileiros

2 Respostas

Classificação
  • Anônimo
    Há 1 mês

    O governo Jair Bolsonaro decidiu aderir à aliança mundial de vacinas (Covax), dando prioridade ao seu acordo bilateral com a AstraZeneca. A decisão, no entanto, garantirá vacina para apenas 10% da população brasileira.

    De acordo com reportagem do colunista Jamil Chade, do UOL, que teve acesso a detalhes do acordo que prevê uma compra de 42 milhões de doses por parte do governo brasileiro. Mas existe a possibilidade de que sejam necessárias duas doses da futura vacina por pessoa. Portanto, a compra significaria, nesse caso, que o abastecimento será suficiente para apenas 10% dos brasileiros.

    A reportagem enfatiza ainda que a aliança permitia que governos optassem por uma adesão que variasse entre 10% e 50% da população. Uma vez comprometido com o valor, o governo não poderia mudar de ideia. O Brasil optou pelo menor volume permitido na aliança.

    A AstraZeneca havia suspendido os testes de estágio final de sua candidata a vacina contra Covid-19 na terça-feira (8). O motivo foi uma suspeita de reação adversa séria em um participante do estudo na Inglaterra. Os testes no Brasil foram retomados na última segunda (14).

    Se a primeira vacina que chegar ao mercado for da empresa, o Brasil poderá optar por apenas manter seu acordo bilateral de compra de vacinas, abrindo mão do fornecimento por parte da aliança. Caso contrário, o risco era de que o Brasil tivesse de pagar duas vezes: uma para a empresa com a qual já assinou o contrato e outra com a aliança internacional.

    Mas, se essa for a escolha do país, o governo também terá de abrir mão de estar entre os primeiros a receber a segunda oferta de vacinas que aparecer, eventualmente de uma das outras oito empresas no consórcio.

  • Há 1 mês

    Primeiro a familícia. Ele sempre deixou isso bem claro.

Tem mais perguntas? Obtenha suas respostas perguntando agora.