Anônimo
Anônimo perguntou em Artes e HumanidadesHistória · Há 1 mês

O que é liberalismo?

10 Respostas

Classificação
  • Anônimo
    Há 1 mês

    Liberalismo é um modelo econômico com mais liberdade, o que favorece a geração de riqueza e empregos com maior renda. É típico em países ricos, tais como, Suíça, Noruega, Canadá, EUA, Austrália, Suécia, etc.

    .

    clique na imagem 

    Attachment image
  • Anônimo
    Há 1 mês

    Liberalismo pode ser definido como um conjunto de princípios e teorias políticas, que apresenta como ponto principal a defesa da liberdade política e econômica. Neste sentido, os liberais são contrários ao forte controle do Estado na economia e na vida das pessoas.

  • Há 1 mês

    Doutrina política, econômica e ética que defende que todos os seres humanos tem direitos naturais como a vida, a liberdade e a propriedade e que o estado não deve intervir na economia. 

  • Lince
    Lv 7
    Há 1 mês

    O Liberalismo constitui uma doutrina econômica e política com um sistema caracterizado pela abertura e tolerância a diversos níveis. O respeito pela consciência dos cidadãos, a liberdade econômica e cívica caracterizam o Liberalismo. 

  • O que você acha das respostas? Você pode entrar para votar em uma resposta.
  • Há 1 mês

    Liberalismo é uma filosofia política e moral baseada na liberdade, consentimento dos governados e igualdade diante da lei.[1][2][3] Os liberais defendem uma ampla gama de pontos de vista, dependendo da sua compreensão desses princípios, mas em geral, apoiam ideias como um governo limitado, direitos individuais (incluindo direitos civis e direitos humanos), livre mercado, democracia, secularismo, igualdade de gênero, igualdade racial, internacionalismo, liberdade de expressão, liberdade de imprensa e liberdade religiosa[4][5][6][7][8]. Amarelo é a cor política mais comumente associada com o liberalismo[9][10].

    O liberalismo começou a alcançar notoriedade durante o Iluminismo, quando se tornou popular entre filósofos e economistas. O liberalismo buscou contestar diversas normas sociais vigentes na época, como o privilégio hereditário, Estado confessional, monarquia absolutista e o direito divino dos reis. Os liberais também encerraram políticas mercantilistas, monopólios e outras barreiras ao comércio, promovendo mercados livres em vez disso[11]. A fundação do liberalismo como uma tradição distinta é comumente atribuída ao filósofo inglês John Locke, tendo ele argumentado que o liberalismo deve basear-se no contrato social, e que cada homem tem um direito natural à vida, liberdade e propriedade, e que os governos não devem violar tais direitos.[12] Enquanto a tradição liberal britânica tenha enfatizado a expansão da democracia, o liberalismo francês enfatizou a rejeição do autoritarismo e esteve ligado à construção da nação.[13] O filósofo John Locke, do século XVII, é muitas vezes creditado como fundador do liberalismo como uma tradição filosófica distinta. Locke argumentou que cada homem tem um direito natural à vida, liberdade e propriedade,[14] acrescentando que os governos não devem violar esses direitos com base no contrato social. Os liberais opuseram-se ao conservadorismo tradicional e procuraram substituir o absolutismo no governo pela democracia representativa e pelo Estado de direito.

    Líderes revolucionários da Revolução Gloriosa de 1688,[15] da Revolução Americana de 1776 e da Revolução Francesa de 1789 usaram a filosofia liberal para justificar derrocadas armadas contra realezas tiranas. O liberalismo espalhou-se rapidamente, em especial após a Revolução Francesa. O século XIX viu governos liberais estabelecidos em nações da Europa e da América do Sul, ao passo que também estavam bem estabelecidos ao lado do republicanismo nos Estados Unidos.[16] Na Grã-Bretanha vitoriana, foi usado para criticar o establishment político, apelando para a ciência e a razão em favor do povo.[17] Durante o século XIX e início do século XX, o liberalismo no Império Otomano e no Oriente Médio influenciou períodos de reformas como o Tanzimat e o Al-Nahda, bem como a ascensão do secularismo, constitucionalismo e nacionalismo; neste último sendo usado como pilar da Unificação Alemã (1864-1870) e da Unificação da Itália (1848-1860).[18]Essas mudanças, juntamente com outros fatores, ajudaram a criar uma sensação de crise dentro do Islã, que continua até hoje, culminando no renascimento islâmico. Antes de 1920, o principal adversário ideológico do liberalismo clássico era o conservadorismo, mas nos anos seguintes o liberalismo passou a enfrentar grandes desafios ideológicos de novos opositores: o fascismo e o comunismo. No entanto, durante o século XX, as ideias liberais continuaram a se espalhar ainda mais — especialmente na Europa Ocidental — em forma de democracias liberais, elas estiveram do lado vencedor em ambas as guerras mundiais. [19]

    Na Europa e na América do Norte, o estabelecimento do liberalismo social (muitas vezes chamado simplesmente de "liberalismo" nos Estados Unidos) tornou-se um componente-chave na expansão do estado de bem-estar social, nos conhecidos 30 Anos Gloriosos.[20][21] Hoje, os partidos liberais continuam a exercer poder e influência em todo o mundo. No entanto, o liberalismo ainda tem desafios a superar na África e na Ásia. Os elementos fundamentais da sociedade contemporânea têm raízes liberais. As primeiras ondas do liberalismo popularizaram o individualismo econômico enquanto expandiam o governo constitucional e a autoridade parlamentar.[22] Os liberais procuraram e estabeleceram uma ordem constitucional que valorizava liberdades individuais importantes, como liberdade de expressão e liberdade de associação; um judiciário independente e um julgamento público por júri; assim como a abolição dos privilégios aristocráticos.[22] Ondas posteriores do pensamento e da luta liberal moderna foram fortemente influenciadas pela necessidade de expandir os direitos civis.[23] Os liberais defenderam a igualdade de gênero e racial em suas campanhas para promover os direitos civis e um movimento global pelos direitos civis no século XX alcançou vários objetivos em relação a ambas as metas. O liberalismo europeu continental divide-se entre moderados e progressistas, com os moderados tendendo ao elitismo e os progressistas ao apoio à universalização de instituições fundamentais, como o sufrágio universal, a educação universal e a expansão dos direitos de propriedade. Com o tempo, os moderados tomaram o lugar dos progressistas como os principais guardiões do liberalismo europeu continental.[13]

  • Anônimo
    Há 1 mês

    A melhor coisa do mundo.

  • Anônimo
    Há 1 mês

    Regime econômico, no qual o estado pouco interfere na economia.

  • Há 1 mês

    É uma loucura na esfera econômica da pauta, entende.

  • Onle
    Lv 6
    Há 1 mês

    Liberalismo era o antigo nome do Capitalismo. Simples, são a mesma coisa.

    Agora "Liberalismo" da forma que é usado hoje em dia se refere não ao Capitalismo, mas ao Neoliberalismo, que é outra coisa totalmente diferente.

    Estão querendo mudar os conceitos para enganar as pessoas.

    "-Se não é Neoliberalismo não é Capitalismo", isso é mentira.

    A mesma mentira do 8 ou 80:

    "- Se vc não apoia o meu político então vc é Comunista."

  • Anônimo
    Há 1 mês

    Sistema econômico onde grandes empresas mandam e fazem maracutaias para derrubar seu pequeno comércio já que o estado não protegem os pequenos comerciantes. 

Tem mais perguntas? Obtenha suas respostas perguntando agora.