Deus sabia que Adão e Eva pecariam?

Amigos, fiquei surpreso com a resposta do "Rogério", Test. de Jeová, veja no link abaixo, onde parece que eles crêem que Deus, embora onisciente NÃO SABIA que Adão e Eva pecariam.

http://br.answers.yahoo.com/question/index;_ylt=At...

Isso torna o Deus Jeová diferente do Deus bíblico e ainda leva a muitas questões como:

1. Ora, o que levaria Deus a criar o homem antes de ter resolvido a questão com Satanás?

2. O que levaria a permitir que Satanás os tentasse, pois bastaria verificar a obediência à sua lei ?

3. Na bíblia temos que o plano de salvação fora estipulado 'antes da fundação do mundo', como então se planeja algo que não se sabe se haveria?

Talvez se possa usar como argumento algumas expressões como no caso de Abraão ao qual disse após sua provação 'agora sei que me temes a Deus' ou ainda quando iria destruir Sodoma, 'verei..se é mesmo assim ou não', etc. Qual sua opinião sobre Deus, ele é ou não onisciente? Sabia ou não que o homem irá pecar?

Atualizada:

Amiga "Lurita", a fonte é a própria bíblia que tem inúmeras referências, não sendo apenas pré-ciência, veja por exemplo:

Efésios 1:4 "como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade,"

1 Pedro 1:20 (NTLH) "Ele foi escolhido por Deus antes da criação do mundo e foi revelado nestes últimos tempos em benefício de vocês."

2 atualizadas:

Amigo "Cacounge"..então você acredita que os anjos que se rebelaram aos quais a bíblia chama de demônios são os beneficiários do plano de salvação? Nesse caso como seria? Eles 'encarnam', nascendo como homens ou são meros expectarores da humanidade e daí tirando suas concluões?

3 atualizadas:

Então amigo "Ricardo", de fato a última vinda de Elias está ligado ao tempo do fim e será ele mesmo. Se lermos Apoc. 11:4-7 e ainda Zacarias 4:11-14, em conjunto com a transfiguração de Jesus entre outros, veremos que Elias é uma das duas testemunhas, junto com Moisés (Sei que os Mórmons pensam que seja a bíblia e o livro de Mórmom, assim como os judeus ser o Antigo Testamento e o Talmude e ainda os muçulmanos a Lei (Abrãão à Moisés) e Maomé com o Alcorão, , porém não se trata de livros mas de duas pessoas). Essa interpretação bíblica elimina a questão de que Jesus estivesse falando de reencarnação.

21 Respostas

Classificação
  • Há 8 anos
    Resposta favorita

    A pergunta pode ir mais longe ainda : por que Deus criou o anjo Lúcifer, se sabia que, mais tarde, ele rebelar-se-ia e transformar-se-ia no grande inimigo de Deus e da raça humana?

    Para uma melhor compreensão deste assunto, recomendo-lhe a leitura dos primeiros capítulos do livro "História da Redenção", de Ellen G. White. - (Editora: CASA - fone: 0800 - 552616)

    Mas, de forma resumida, minha compreensão sobre este tema é a seguinte: Deus, com certeza, sabe todas as coisas. Ele sabe o que já aconteceu e o que irá acontecer. Só que Ele não interfere em uma coisa : A LIBERDADE DE ESCOLHA dos seres criados por Ele.

    Se Deus deixasse de criar Lúcifer, somente porque este, no futuro, dar-Lhe-ia muito trabalho, estaria mostrando um certo tipo de manipulação.

    Não! Deus criou seres livres, que tinham todos os motivos para amá-Lo, mas que poderiam, também, se voltar contra Ele próprio, se o quisessem.

    Deus não criou o "MAL"!

    Deus criou seres inteligentes e de grande capacidade. Contudo, estes mesmos seres, Lúcifer e seus aliados, por escolha pessoal escolheram duvidar da bondade de Deus e se rebelarem contra Seu governo.

    Deus tem permitido o "mal" por tantos milênios, a fim de que a real malignidade de Lúcifer fique patente aos olhos de todo o universo.

    O criador tem permitido a existência da raça humana já por tanto tempo a fim de que cada habitante decida de que lado deseja estar na guerra do mal contra o bem. Também para que o propósito de amor que Ele tem para a humanidade seja alcançado.

    Deus criou a raça humana com um nobre propósito: conhecer e refletir o caráter do Criador e desfrutar de amoroso companheirismo com Ele. Criou uma raça linda e elevada, livre, o que incluía a possibilidade de pecar.

    Após uma prova, Adão e Eva desconfiaram da bondade de Deus e comeram o único fruto que Deus lhes havia ordenado não comer. Era apenas uma prova, porém sua desobediência demonstrou que eles deixaram de confiar em Deus. O Senhor viu que eles foram enganados e, por isto, Jesus se dispôs vir a terra, morrer no lugar deles, para lhes dar uma outra chance. Entretanto, cada filho de Adão e Eva teria, agora, de escolher o lado em que gostaria de ficar, neste grande conflito entre o bem e o mal.

    Você vê que o próprio Deus pagou um preço alto pela liberdade que Ele conferiu aos seres humanos: A MORTE DE SEU ÚNICO FILHO, JESUS CRISTO! Acresça-se, ainda, o trabalho incansável de milhões de anjos, que laboram em prol de nosso resgate, até o presente.

    Mas, por que, então, criou Deus a raça humana, sabendo que iria pecar?

    Esta é uma pergunta difícil, para a qual não temos todas as respostas. Todavia, de uma coisa temos certeza : "DEUS É AMOR" - (I João 4:8). Qualquer que seja a resposta, sem dúvida é certo que Deus nos ama muito.

    Eu, pessoalmente, creio que Deus criou a raça humana, porque, mesmo apesar da triste história do pecado, muitos iriam se colocar ao lado dEle, no conflito contra o mal. Muitos iriam aprender a louvá-Lo, em meio às tragédias causadas pelo pecado. Muitos se tornariam AMADOS FILHOS, em meio aos tormentos desta vida.

    A exemplo, eu agradeço a Deus por ter tido o privilégio de nascer. Se não houvesse a raça humana, não teria nascido. Agradeço, também, porque, apesar de minhas falhas e defeitos, tenho um Salvador amoroso, que morreu por mim, me perdoou na cruz e que me ajuda a vencer, através do Seu bondoso Espírito Santo.

    Logo Cristo virá separar os que são dEle, daqueles que não são.

    Logo Jesus virá libertar os oprimidos pelo diabo.

    E assim, todos nós receberemos a vida eterna das mãos do Criador e nunca mais nos afastaremos do Deus de amor.

    Se importa em responder uma pergunta minha?

    http://br.answers.yahoo.com/question/index;_ylt=Ak...

    Obrigado!

  • Anônimo
    Há 6 anos

    Pergunta: "Se Deus sabia que Satanás se rebelaria e Adão e Eva pecariam, por que Ele os criou?"

    Resposta: Esta é uma pergunta de duas partes. A primeira parte é “Deus sabia que Satanás se rebelaria e Adão e Eva pecariam?” A resposta se encontra no que a Bíblia ensina sobre o conhecimento de Deus. Sabemos pelas Escrituras que Deus é onisciente, o que literalmente significa que Ele "sabe tudo". Jó 37:16, Salmos 139:2-4, 147:5; Provérbios 5:21; Isaías 46:9-10 e 1 João 3:19-20 não deixam dúvida de que o conhecimento de Deus é infinito e que Ele sabe tudo o que aconteceu no passado, está acontecendo agora e acontecerá no futuro.

    Ao olhar alguns dos superlativos nestes versículos -- "perfeito conhecimento", "todos os meus caminhos te são bem conhecidos", "sabe tudo" -- é evidente que o conhecimento de Deus não é apenas maior que o nosso, mas é infinitamente maior. Ele conhece todas as coisas em sua totalidade. Isaías 46:10 declara que Ele não só sabe tudo, mas controla tudo também. De que outra maneira poderia ele "fazer conhecido" a nós o que iria acontecer no futuro e afirmar sem qualquer equívoco que os Seus planos acontecerão? Então, Deus sabia que Adão e Eva pecariam? Ele sabia que Lúcifer iria se rebelar contra Ele e tornar-se Satanás? Sim! Claro que sim! Eles estavam fora de Seu controle a qualquer momento? Absolutamente não. Se o conhecimento de Deus não fosse perfeito, então haveria uma deficiência em Sua natureza. Qualquer deficiência na natureza de Deus significa que Ele não pode ser Deus, pois a própria essência de Deus exige a perfeição de todos os Seus atributos. Portanto, a resposta à primeira pergunta necessariamente tem que ser "sim".

    Seguindo adiante à segunda parte da pergunta: "Por que Deus criou Satanás e Adão e Eva sabendo de antemão que eles pecariam?" Esta pergunta é um pouco mais complicada porque estamos pedindo um "porquê" a uma pergunta para a qual a Bíblia geralmente não dá respostas abrangentes. Apesar disso, devemos ser capazes de chegar a um entendimento limitado se examinarmos algumas passagens bíblicas. Para começar, já vimos que Deus é onisciente e que nada pode acontecer fora do seu conhecimento. Então, se Deus sabia que Satanás se rebelaria e cairia do céu e que Adão e Eva pecariam, mas mesmo assim Ele os criou, isso deve significar que a queda da humanidade foi uma parte do plano soberano de Deus desde o início. Nenhuma outra resposta faz sentido ao levarmos em consideração o que temos dito até agora.

    Agora temos de ter cuidado em notar que a queda de Adão e Eva em pecado não significa que Deus é o autor do pecado, nem que Ele os tentou a pecar (Tiago 1:13). A queda serve um propósito no plano geral de Deus para a criação e humanidade. Novamente, isso deve ser o caso, ou então a queda da humanidade nunca teria acontecido.

    Se considerarmos o que alguns teólogos chamam de "metanarrativa" (ou enredo global) das Escrituras, vemos que a história bíblica pode ser dividida em três seções principais: 1) paraíso (Gênesis 1-2); 2) o paraíso perdido (Gênesis 3 - Apocalipse 20) e 3) o paraíso recuperado (Apocalipse 21-22). De longe, a maior parte da narrativa é dedicada a deixar o paraíso perdido e alcançar o paraíso recuperado. A cruz está no centro da metanarrativa. A cruz foi planejada desde o início (Atos 2:23). Era conhecido e preordenado que Cristo iria para a cruz para dar a Sua vida em resgate por muitos (Mateus 20:28) -- aqueles escolhidos pela presciência de Deus e predestinados para serem o Seu povo (Efésios 1:4-5).

    Ao ler as Escrituras com muito cuidado e levando em consideração o que foi dito até agora, somos levados às seguintes conclusões:

    1. A rebelião de Satanás e a queda da humanidade foram conhecidas e predestinadas por Deus.

    2. Aqueles que se tornariam o povo de Deus, os eleitos, foram conhecidos e predestinados por Deus.

    3. A crucificação de Cristo, como uma expiação pelo povo de Deus, foi conhecida e predestinada por Deus.

    Assim, ficamos com as seguintes perguntas: Por que criar a humanidade com o conhecimento da queda? Por que criar a humanidade sabendo que apenas alguns seriam "salvos"? Por que intencionalmente enviar Jesus para morrer por um povo que intencionalmente caiu em pecado? Do ponto de vista do homem, não faz sentido. Se a metanarrativa se move do paraíso, ao paraíso perdido, ao paraíso recuperado, por que não ir direto ao paraíso recuperado e evitar o período do paraíso perdido?

    A única conclusão à qual podemos chegar, tendo em conta as afirmações acima, é que o propósito de Deus era criar um mundo no qual a Sua glória poderia se manifestar em toda a sua plenitude. A glória de Deus é o objetivo principal da criação. Na verdade, é o objetivo principal de tudo o que Ele faz. O universo foi criado para mostrar a glória de Deus (Salmo 19:1), e a ira de Deus se revela contra aqueles que não glorificam a Deus (Romanos 1:23). Nosso pecado nos leva a carecer da glória de Deus (Romanos 3:23) e no novo céu e nova terra, a glória de Deus é o que vai fornecer a luz (Apocalipse 21:23). A glória de Deus se manifesta quando os Seus atributos estão em exibição perfeita e a história da redenção é uma parte disso.

    O melhor lugar para ver isso nas Escrituras é Romanos 9:19-24. A ira e misericórdia mostram as riquezas da glória de Deus e não se pode ter nenhuma delas sem a queda da humanidade. Portanto, todas estas ações -- queda, eleição, redenção, expiação -- servem o propósito de glorificar a Deus. Quando o homem caiu no pecado, a misericórdia de Deus foi exibida imediatamente em não matá-lo no local. A paciência e tolerância de Deus foram expostas quando a humanidade caiu mais profundamente em pecado antes do dilúvio. A justiça e ira de Deus estavam em exposição quando Ele executou julgamento durante o dilúvio, e a misericórdia e graça de Deus foram demonstradas quando Ele salvou Noé e sua família. A ira e a justiça de Deus serão reveladas no futuro quando Ele cuidar de Satanás de uma vez por todas (Apocalipse 20:7-10).

    A maior exposição da glória de Deus foi na cruz, onde a Sua ira, justiça e misericórdia se reuniram. O justo julgamento de todo o pecado foi executado na cruz e a graça de Deus foi exibida ao derramar a Sua ira contra o pecado em Seu Filho, Jesus, em vez de em nós. O amor e a graça de Deus são manifestados naqueles a quem Ele salva (João 3:16, Efésios 2:8-9). No fim, Deus será glorificado quando o Seu povo escolhido O adorar por toda a eternidade com os anjos, e os ímpios também glorificarão a Deus quando a Sua justiça e retidão forem finalmente vindicadas pela punição eterna dos pecadores impenitentes (Filipenses 2:11 ). Nada disto poderia ter acontecido sem a rebelião de Satanás e a queda de Adão e Eva.

    A objeção clássica a esta posição é que a presciência e predestinação de Deus a respeito da queda limitam a liberdade do homem. Em outras palavras, se Deus criou o homem com pleno conhecimento da iminente queda no pecado, como o homem pode ser responsável pelo seu pecado? A melhor resposta a esta pergunta pode ser encontrada na Confissão de Fé de Westminster capítulo III:

    “Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece, porém de modo que nem Deus é o autor do pecado, nem violentada é a vontade da criatura, nem é tirada a liberdade ou contingência das causas secundárias, antes estabelecidas.” (WFC, III.1)

    O que isto quer dizer é que Deus ordena os eventos futuros de tal forma que a nossa própria liberdade e a função das causas secundárias (por exemplo, as leis da natureza) sejam preservadas. Os teólogos chamam isso de "concorrência". A vontade soberana de Deus flui simultaneamente com o nosso livre-arbítrio de modo que o nosso livre-arbítrio sempre resulta na realização da vontade de Deus (por "livre-arbítrio" queremos dizer que nossas escolhas não são coagidas por influências externas).

    Para resumir, Deus sabia que Satanás se rebelaria e que Adão e Eva pecariam no Jardim do Éden. Com esse conhecimento, Deus ainda criou Lúcifer e Adão e Eva porque a sua criação e queda faziam parte do Seu plano soberano de manifestar a Sua glória em toda a sua plenitude. Embora a queda tenha sido conhecida e preordenada de antemão, a nossa liberdade de fazer escolhas não é violada porque as nossas escolhas livres são o meio pelo qual a vontade de Deus é realizada.

    TODOS SOMOS PARTE DESSE PLANO.DEUS SABIA O TEMPO TODO DE TUDO ISSO. MAS ELE TINHA UM PLANO E NÃO DESTRUIO O MAL ANTES NEM AGORA POR QUE ELE TEM UM PLONO EM BENEFICIU PROPIO.

  • Há 8 anos

    Deus sabia sim. Ninguém faria melhor que Adão se fosse posto em seu lugar. Muitos dizem que um Deus perfeito não iria permitir algumas imperfeições como essa, mas o que importa é que no final a Justiça divina será perfeita e completa. O resto é detalhe.

    ___________________________________________

    Gostei muito de sua resposta para o usuário que quis apoiar a reencarnação com a questão da vinda de Elias e aproveito para reforçar que Joseph Smith não é Elias. Eu não quis dizer isso. Mas ele tinha o Espírito de Elias assim como João batista. Nós SUD acreditamos que o Elias previsto em Malaquias é literalmente o Profeta Elias.

    Abraço

  • Há 8 anos

    Ele sabia sim que Adão e Eva pecariam, porém Deus deu o livre arbítrio.

    apesar dEle já saber o que iria acontecer Ele deixou que Adão e Eva escolhecem o que fariam, pois já que Deus deu o livre arbítrio então ele deixou que os dois tomassem a decisão.

    abraço

  • O que você acha das respostas? Você pode entrar para votar em uma resposta.
  • Há 8 anos

    Sim!

    Mas Adão e Eva não poderia de ser provados como toda a criação.

    Todos foram provados, alguns aprovados e outros reprovados, satanás, também foi provado e está reprovado.

    Não faria nenhum sentido Adão e Eva não serem provados.

    Deus por sua vez estava preparado para a escolha de Adão Eva, seja ela qual fosse.

    abraços.

  • Há 4 anos

    Sim. Um dos atributos de Deus se chama Presciência e outro se chama Onisciência. Com base nesses atributos temos plena certeza que Deus sabia o que aconteceria em tudo na vida de adão e Eva (sabe de tudo antes mesmo de acontecer). Deus dotou o ser Humano com a capacidade de decidir por si mesmo o que ele faz ou deixa de fazer(comer, brincar, ler livros, opinar ou não sobre algo, e principalmente OBEDECER A DEUS). Isso se chama Livre-Arbítrio, capacidade de decidir. Pois, Deus deu ao homem uma alma e um espírito( parte que se comunica com Deus). Logo, concluimos que o homem é um ser racional. Sendo racional, pensa e duvida. Quando pensa se difere de todos os outros animais. Por isso, Deus não os fez robôs, mas seres que podiam dizer sim, não e talvez( de forma não mecânica). Com certeza ao criar advertão, Deus lhe dotou com capacidade acima da que temos hoje, deu lhe de tudo. Mas sabia que esse homem iria fracassar, por isso a Bíblia diz que Jesus Cristo estava prepararado para nascer( de uma virgem) sofrer e morrer pela humanidade( leia de Genesis a Apocalipse e você verá o tanto de informação sobre sua dúvida). Por isso Deus providenciou a Cristo antes da fundação do mundo para morrer por todos nós. Deus não mente e sua Bíblia também não( ela é a Palavra de Deus). Portanto, Deus já sabia que adão pecaria, mesmo assim devido ao seu grande amor pela humanidade, ele deixou que advertão desfrutasse de algo que desfrutaremos ( os que são salvos por Cristo) no Reino Celestial. Por isso também é que Ele pergunta a adão quem o havia mostrado que estava nu e se ele havia comido da fruta que Ele proibiu adão e Eva de comerem. Deus só queria da boca de advertão a afirmação que ele desobedeceu à ordem que Deus o havia dado.

  • Há 8 anos

    O conceito de que o uso da presciência por parte de Deus é infinito e que ele predetermina o rumo e o destino de todas as pessoas é conhecido como predestinacionismo. Seus defensores raciocinam que a divindade e a perfeição de Deus exigem que ele seja onisciente (conhecedor de tudo), não só com respeito ao passado e ao presente, mas também concernente ao futuro. Se ele não soubesse de antemão todos os assuntos em seus mínimos detalhes, evidenciaria imperfeição, segundo este conceito.

    Mas considere as implicações de tal conceito predestinacionista. Este conceito significaria que Deus, antes de criar os anjos ou o homem terreno, exerceu sua faculdade de presciência, e previu e soube de antemão tudo o que resultaria de tal criação, inclusive a rebelião de um dos seus filhos espirituais, a rebelião subseqüente do primeiro casal humano no Éden (Gên. 3:1-6; João 8:44) e todas as conseqüências más de tal rebelião até o dia atual e além dele. Isto significaria necessariamente que toda a iniqüidade registrada pela história (o crime e a imoralidade, a opressão e o sofrimento resultante, a mentira e a hipocrisia, a adoração falsa e a idolatria) existiam anteriormente, antes do começo da criação, apenas na mente de Deus, na forma de sua presciência do futuro.

    Se o Criador da humanidade deveras tivesse exercido seu poder para saber de antemão tudo o que a história tem visto desde a criação do homem, então a plena força de toda a iniqüidade resultante depois teria sido deliberadamente posta em movimento por Deus quando disse as palavras: “Façamos o homem.” (Gên. 1:26) Estes fatos põem em dúvida a razoabilidade e a coerência do conceito predestinacionista: especialmente visto que o discípulo Tiago mostra que a desordem e outras coisas vis não se originam da presença celestial de Deus, mas são ‘terrenas, animalescas e demoníacas’ em origem. — Tia. 3:14-18.

    O argumento de que, se Deus não soubesse de antemão todos os eventos e circunstâncias no futuro, em todos os pormenores, evidenciaria imperfeição da sua parte, na realidade, é um conceito arbitrário sobre a perfeição. No fim das contas, a própria vontade e o beneplácito de Deus são os fatores decisivos quanto a algo ser perfeito, e não as opiniões e os conceitos humanos. — 2 Sam. 22:31; Isa. 46:10.

    Para ilustrar isso, a onipotência de Deus é inegavelmente perfeita e é infinita em capacidade. (1 Crô. 29:11, 12; Jó 36:22; 37:23) No entanto, a sua perfeição de força não exige que use seu poder ao máximo da sua onipotência em qualquer caso ou em todos eles. É evidente que ele não o fez, pois, do contrário, não se teriam destruído apenas certas cidades e nações antigas, mas toda a terra e tudo o que há nela teriam sido há muito obliterados pela execução do julgamento de Deus, tal como no Dilúvio e em outras ocasiões. (Gên. 6:5-8; 19:23-25, 29) O uso do poder de Deus, portanto, não é simplesmente desencadear poder ilimitado, mas é constantemente governado pelo seu propósito e temperado pela sua misericórdia, quando merecida. — Nee. 9:31; Sal. 78:38, 39.

    De modo similar, quando Deus, em certos sentidos, escolhe usar a sua capacidade infinita da presciência de modo seletivo e num grau que lhe agrada, então, por certo, nenhum homem ou anjo pode dizer de direito: “Que estás fazendo?” (Jó 9:12; Isa. 45:9; Dan. 4:35) Portanto, não é uma questão de capacidade, daquilo que Deus pode prever, saber de antemão e predeterminar, pois, “a Deus todas as coisas são possíveis”. (Mat. 19:26) A questão é o que Deus decide prever, conhecer de antemão ou predeterminar, pois ele “fez tudo que se agradou em fazer”. — Sal. 115:3.

  • ?
    Lv 5
    Há 8 anos

    Pensador e suas sempre boas questões!

    Segundo a fé cristã SUD, é nítido que Deus, sendo um ser Onisciente sabe de todas as coisas!

    Sabe inclusive se você e eu seremos salvos e para qual grau de glória seremos salvos!

    A questão sobre Adão e Eva é que, uma vez que eles foram escolhidos como os primeiros habitantes da Terra, Deus escolheu um homem e uma mulher muito especiais (Adão, segundo nossa crença, era Miguel na existência pré-mortal), pois sobre eles residia a solene responsabilidade de fazer a escolha que determinaria nossa existência na Terra:

    - Se eles ficariam eternamente no Jardim do Éden, na presença de Deus, mas sendo inocentes e não podendo gerar filhos (lembrem-se que só depois de comer do fruto Deus disse que Eva, com dores, teria filhos).

    OU

    - Se eles escolheriam comer do fruto para que pudessem gerar descendência, mas aceitando que seriam expulsos do Jardim, consequentemente, da presença do Pai.

    Deus, na sua infinita sabedoria, escolheu um casal que, embora tivesse que transgredir uma Lei divina (a de não comer do fruto da árvore), entendiam que assim deveria ser para que o homem existisse. Ali eles escolheram deixar de viver uma lei menor para poder viver uma lei maior. Se assim não fosse, Adão e Eva estariam na Terra até a data de hoje, e nada teria sofrido alteração. Não teriam tido filhos; estaríamos todos os nossos espíritos ali junto de Deus, aguardando a queda de ambos para podermos nascer.

    Deus sabia de tudo, e por isso precipitou Satanás na Terra, para que este pudesse persuadir o homem a comer do fruto proibido. O diabo sabia que só teria poder sobre o homem se este conhecesse o bem e o mal. Nisto, até para o diabo Deus encontrou uma serventia no Plano de Salvação!

    Um abraço!

    Fonte(s): Estas doutrinas encontram-se explicadas pelo profeta Leí, no Livro de Mórmon: http://www.lds.org/scriptures/bofm/2-ne/2?lang=por
  • Anônimo
    Há 8 anos

    É claro que Deus sabia que Adão e Eva iriam pecar e agora o mais bonito de todos os atos; Você sabe por que Deus com todo seu magnífico poder não nos obriga a ama-lo ou obedece-lo por que o mesmo jeito que ele é poderoso e glorioso ele é justo e necessário e de todos os atos ele o fez o mais bonito ele nos deu o livre arbítrio, para que ao em vez de sermos uns robôs pudéssemos tomar nossas próprias decisões e amar a ele por uma própria vontade. E a carne humana é fraca e a serpente astuta como uma lebre seduzindo e ganhando a confiança de Eva pouco a pouco até que ela caísse em pecado levando junto a ela seu cônjuge.

  • Anônimo
    Há 8 anos

    O pobrema de adão e éva nos paraizo foi não ter comprado uma tek pix para registrar as cobra falante

Tem mais perguntas? Obtenha suas respostas perguntando agora.