Como Noé usou betume para selá a arca se o betume é derivado do petróleo?

18 Respostas

Classificação
  • Há 1 década
    Resposta favorita

    O petróleo não é uma descoberta recente.

    recente é a forma de trata-lo como combustível.

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Há 1 década

    Oi! Prezado Teoria.

    Ela jamais existiu, tal mentira é inquestionável, pois quem poderia arrastar tal arca para as águas? Um barco do tamanho que era tinha que ser construído perto do mar e ao mar ser lançado, senão afundaria em razão de seu peso com a chegada das águas ele não flutuaria de jeito algum se assim não fosse feito, e bem sabemos que os barcos flutuam porque todo o corpo submergido num fluido experimenta um impulso vertical para cima equivalente ao peso do volume do fluido desalojado, é o principio de Arquimedes, certo? Ademais vejamos o que teria acontecido se toda a água existente na atmosfera tivesse caído durante aqueles quarenta dias e quarenta noites. Aliás algum povo vizinho comentou sobre o suposto dilúvio? Creio que não, mas vamos lá:

    Os cálculos indicam que na atmosfera do planeta existem aproximadamente 0,013 x 1015 m3 de água. Isso corresponde a aproximadamente 13 x 1018cm3 de água. Então a pergunta fica sendo assim: o que teria acontecido na superfície do planeta se, durante quarenta dias e quarenta noites, 13 x 1018cm3 de água caíssem em forma de chuva?

    Para responder esta pergunta precisamos saber a área da superfície do planeta. Ela é de aproximadamente 510.067.000 Km2. Isso corresponde a aproximadamente 51 x 1017cm2. Se admitíssemos que o planeta é todo plano e que os mares, lagos, rios e córregos ficassem no mesmo nível do que é terra, essa água ficaria em uma altura que é fornecida por uma equação simples, a saber:

    V = A x h onde V é volume, A é área e h a altura. Para se obter a altura a equação é a seguinte: h = V/A

    Substituindo-se V pelo volume de água existente na atmosfera e A pela área da superfície do planeta, temos:

    h = 13 x 1018cm3/51 x 1017cm2 = 2,55 cm

    Logo, se toda a água existente na atmosfera caiu sobre o planeta, independente do tempo da chuva, a altura atingida foi de 2,55 centímetros, segundo os dados disponíveis. Deparamo-nos então, com o primeiro desacordo entre a Bíblia e nossos conhecimentos atuais no que diz respeito ao dilúvio.

    Água nos Mares:

    Uma vez que a existência de montanhas compromete a conclusão acima, vamos admitir que toda a água em suspensão caísse sobre os mares, lagos, rios e córregos. Sabemos que eles ocupam 70% da área do planeta, ou seja, 35,7 x 1017 cm2. Neste caso, os mares, lagos, rios e córregos aumentariam de altura segundo a equação:

    h = V/A = 13 x 1018cm3/35,7 x 1017cm2 = 3,64 cm

    Logo, se toda a água caísse somente sobre os mares, lagos, rios e córregos ou, se a água da chuva que caísse sobre o planeta escorresse para essas áreas líquidas, o aumento no volume de água seria de 3,64 cm de altura. Isso também é insuficiente para causar inundação.

    Água na Terra

    Imaginemos agora que, por vontade divina, a água em suspensão na atmosfera caiu apenas na parte sólida e não escorreu para os mares, lagos, rios e córregos. Ou seja, caiu apenas sobre a área sólida, que corresponde a cerca de 30% da superfície do planeta - e nela ficou estancada. Neste caso, a altura atingida teria sido:

    h = V/A = 13 x 1018cm3/15,3 x 1017cm2 = 8,5 cm

    Logo, se toda a água da atmosfera caiu somente sobre a parte sólida do planeta e ficou estancada nela, essa água atingiu a altura de 8,5 cm. Isso é também insuficiente para caracterizar uma inundação.

    Chuva Circunscrita ao Oriente:

    Admitindo-se que, por vontade divina, a água tenha caído sobre a "humanidade" de então, e ficado estancada em uma parte do Oriente Médio, o que teria acontecido? Antes de responder, vamos circunscrever a região. Deduz-se do Livro do Gênesis, que a história bíblica que vai da criação, passa pelo dilúvio e chega até Moisés, ocorreu em uma área geográfica do Oriente que englobaria, no máximo, o que são hoje os territórios de Israel, Palestina, Líbano, Jordânia, Iraque, Turquia, Síria, Arábia Saudita, Irã, Egito. Esses territórios, somados, correspondem a uma área aproximada de 6.437.900 Km2. Esta área é, aproximadamente, 1/80 da área do planeta.

    Logo, se a chuva caiu apenas nessa área e ficou sem escorrer para os mares, a altura alcançada foi de 80 vezes a altura encontrada para todo o planeta, ou seja, 2,55 cm x 80 = 204 cm = 2,04 m. Esta altura ainda é muito pequena em comparação com a descrição bíblica.

    Área Ainda Mais Limitada:

    A narrativa bíblica, até a época do dilúvio, permite deduzir que o cenário dos eventos foi uma parte do que são hoje os territórios do Iraque, Síria, Turquia, Jordânia, Palestina, Israel e Líbano. Contudo, é impossível estabelecer esse cenário com precisão. Considerando-se os territórios na sua integralidade, tal como são hoje, os três somam uma área de 1.537.886 Km2. Isso corresponde a aproximadamente 1/331 da superfície total do planeta. Ou seja, se a água que se achava na atmosfera caiu, por vontade divina, apenas ali e ficou estancada, a altura atingida foi de 2,55 cm x 331 = 844 cm = 8,44 m. Isto ainda está muito longe de atingir o que está descrito na Bíblia, mesmo que consideremos as áreas ocupadas por montanhas.

    Discussão Complementar:

    Pode-se argumentar que:

    -- A água existente na atmosfera à época do dilúvio era maior.

    -- O volume de água que cai hoje durante um ano, com as chuvas, na superfície do planeta, é maior do que o volume citado de 13 x 1018cm3.

    É improvável que o volume de água na atmosfera fosse maior do que é hoje. Se fosse o dobro, causaria muito desequilíbrio ambiental e, ainda assim, a altura alcançada seria insignificante quando comparada com as proporções bíblicas.

    O volume de água que se precipita sobre a terra durante um ano é cerca de 30 vezes o volume que fica em suspensão na atmosfera. Isso se deve ao movimento contínuo de evaporação-precipitação-evaporação. No dilúvio bíblico, choveu durante quarenta dias e quarenta noites, e, por isso, não houve evaporação - teria caído a água que se achava na atmosfera.

    Conclusão:

    Conclui-se, finalmente, que existe um desacordo muito grande entre a Bíblia e os nossos conhecimentos atuais, adquiridos pela pesquisa científica, no que diz respeito ao dilúvio.

    Quanto o betume citado em Gênesis 6:14, 11:3 e 14:10 existem vários:

    É a mistura de substâncias provenientes da decomposição de matérias orgânicas, e consistindo de hidrocarbonetos e produtos mais ou menos oxidados e azotados, que é usado como impermeabilizante. Substância preparada com pez, cal e outros ingredientes, usados para taparem junturas nas pedras, para vedar a água e em outras obras.

    Betume asfáltico:

    Tipo de betume geral viscoso, solúvel em sulfeto de carbono.

    Betume da Judéia

    Tipo de betume usado em indústria de tintas e vernizes.

    Betume de petróleo:

    Aquele obtido de destilação de petróleo.

    Creio que tenha sido este:

    “Betume natural”:

    Aquele obtido por processo natural a partir de rochas sedimentares.

    Um forte abraço, cheio de Paz e Luz.

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Há 1 década

    O betume, alcatrão e outros produtos similares a petróleo afloram naturalmente em alguns locais. Tanto que eram conhecidos como impermeabilizantes há milênios.

    Mas este não é o único problema do mito de Noé, no qual eu não acredito nem um pouco, pois sou ateu.

    Mas que existem afloramentos naturais de betume, isto existe sim!!

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Ilu
    Lv 4
    Há 1 década

    Se vc acredita q Noé fez um transatlântico onde couberam todos os animais do mundo em pares pq Deus avisou q ia lavar o quintal, pq n acreditar q Ele deu uns galões de betume tbm?

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • O que você acha das respostas? Você pode entrar para votar em uma resposta.
  • Há 1 década

    O betume tem sua origem em organismos vivos. As rochas de origem orgânica forma dois tipos: as comburentes, chamadas em geologia de caustobiólitos e as não-comburentes (tais como o giz e diatomitos), chamados de acaustobiólitos; os betumes e o carvão mineral (ou hulha) formam os dois principais tipos das rochas que se queimam.[3]

    A formação do betume, assim, ocorre com a decomposição de seres microscópicos (plânctons), tanto animais quanto vegetais, acumulados através do tempo sobre o solo de oceanos que, para ocorrer a fossilização que vai gerar o betume não possuíam correntezas nem oxigênio (decomposição anaeróbica); este processo elimina da matéria orgânica depositada o oxigênio e o nitrogênio, gerando grande concentração de carbono e hidrogênio, gerando então os hidrocarbonetos.[3]

    Betumes também são encontrados em meteoritos e rochas muito antigas (aqueanas) e também em basaltos e rochas alcalinas .É possível que alguns betumes sejam compostos de hidrocarbonetos primordiais formados durante acreção da Terra e retrabalhados posteriormente por bactérias que consomem hidrocarbonetos. Betumes estão associados com mineralizações de chumbo-zinco em depósitos tipo Mississippi Valley. Betumes podem conter elevado conteúdo de enxofre e metais pesados como níquel, vanádio, arsênio, chumbo, cádmio, mercúrio entre outros.

    Fonte(s): WIKIPEDIA
    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Anônimo
    Há 5 anos

    RuyLFreitas, vc deve ter buscado um bom conhecimento para fazer esse calculo. Porém você, o cascavel e todos os outros incrédulos jamais vão conseguir entender a ciência do Todo Poderoso, porque ela jamais pode compreendida em sua plenitude por meros mortais; a palavra de Deus nos afirma em Gn 7:19,20 que todos os altos montes foram cobertos quase sete metros acima do seu nível, perecendo assim todo ser vivo que abitava em terra seca, até que não é difícil explicar de onde vieram as águas que formaram o dilúvio, complicado é explicar de onde veio a matéria prima que o Todo Poderoso usou para fazer existir o planeta, a água e todo ser vivo que o compõe. esGeofísicos da Northwestern University e da Universidade do Novo México afirmaram ter descoberto um imenso reservatório de água abaixo da superfície. Seria um volume equivalente a três vezes o que existe nos oceanos da Terra.

    A descoberta foi publicada na conceituada revista Science e pode mudar muitas teorias sobre a formação do planeta. A água está cerca de 660 quilômetros abaixo da superfície, presa em um mineral com estrutura de cristal. Youtube-A ARCA DE NOÉ FOI ENCONTRADA.

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Anônimo
    Há 1 década

    mais uma lenda ridicula contada na biblia.

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Há 6 anos

    O cálculo feito pelo colega RuyLFreitas é interessante. Porém discordo dele e daqueles que interpretam a Bíblia de forma equivocada. Não houve um dilúvio global. Não vou responder, mas se lerem a bíblia com muita atenção, encontrarão os elementos necessários para explicar como foi.

    Quando descobrirem, verão que não era necessário Deus fazer um milagre. A unica coisa certa aí, é o volume de água na atmosfera.

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • ?
    Lv 6
    Há 1 década

    O BETUME TAMBÉM PODE SER DO PETRÓLEO, POIS SIGNIFICA GORDURA...PORTANTO...NÃO É ESPECIFICADO O BETUME QUE ELE USOU...AFINAL...É UMA HISTÓRIA BÍBLICA...

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Há 1 década

    O nome betume era aplicado para designar essa forma de petróleo naturalmente encontrada, recebendo diversas denominações além das duas: asfalto, alcatrão, lama, resina, azeite, óleo de São Quirino. A Bíblia cita lagos de asfalto, usado como impermeabilizante, para acender fogueiras e nos altares. Nabucodonosor pavimentara estradas com ele na Babilônia, os egípcios nos processos de mumificação e nas pirâmides. Romanos deram-lhe fins bélicos, como comburente em lanças incendiárias, no que foram imitados pelos árabes.

    O betume tem sua origem em organismos vivos. As rochas de origem orgânica forma dois tipos: as comburentes, chamadas em geologia de caustobiólitos e as não-comburentes (tais como o giz e diatomitos), chamados de acaustobiólitos; os betumes e o carvão mineral (ou hulha) formam os dois principais tipos das rochas que se queimam.[3]

    A formação do betume, assim, ocorre com a decomposição de seres microscópicos (plânctons), tanto animais quanto vegetais, acumulados através do tempo sobre o solo de oceanos que, para ocorrer a fossilização que vai gerar o betume não possuíam correntezas nem oxigênio (decomposição anaeróbica); este processo elimina da matéria orgânica depositada o oxigênio e o nitrogênio, gerando grande concentração de carbono e hidrogênio, gerando então os hidrocarbonetos.

    Betumes também são encontrados em meteoritos e rochas muito antigas (aqueanas) e também em basaltos e rochas alcalinas .É possível que alguns betumes sejam compostos de hidrocarbonetos primordiais formados durante acreção da Terra e retrabalhados posteriormente por bactérias que consomem hidrocarbonetos. Betumes estão associados com mineralizações de chumbo-zinco em depósitos tipo Mississippi Valley. Betumes podem conter elevado conteúdo de enxofre e metais pesados como níquel, vanádio, arsênio, chumbo, cádmio, mercúrio entre outros.

    Respondi sua pergunta?

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • Há 1 década

    Por que você não vai ler o livro COROLARIUM pelo espirito de Maria de Nazareth ?

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
Tem mais perguntas? Obtenha suas respostas perguntando agora.