Dilma Roussef e seu passado criminoso: Unicamp nega informação de site do governo que diz ter ela mestrado?

Unicamp desconhece cursos de Dilma; ministério muda currículo 04 de julho de 2009 O site oficial da Casa Civil informava que a ministra Dilma Rousseff era "mestre em teoria econômica pela Universidade de Campinas (Unicamp) e doutoranda em economia monetária e financeira pela mesma universidade",... mostrar mais Unicamp desconhece cursos de Dilma; ministério muda currículo

04 de julho de 2009


O site oficial da Casa Civil informava que a ministra Dilma Rousseff era "mestre em teoria econômica pela Universidade de Campinas (Unicamp) e doutoranda em economia monetária e financeira pela mesma universidade", apesar de ela não ter concluído nem mestrado nem doutorado, segundo reportagem da revista Piauí deste mês. A edição desta sábado do jornal O Globo repercute o assunto afirmando que, com a revelação, a Casa Civil foi obrigada a mudar o texto nesta sexta duas vezes.

A assessoria da Casa Civil admitiu, em nota divulgada na sexta-feira, que o site da Presidência da República informava erradamente que Dilma tem mestrado e é doutoranda. O diretor de registro acadêmico da Unicamp, Antônio Faggiani, confirmou que Dilma "nunca se matriculou em nenhum curso de mestrado na Unicamp".

A revista Piauí constatou, por meio da verificação do arquivo morto da universidade, que a ministra chegou a se matricular no curso de doutorado, em 1998, mas o abandonou em 2004.

Mesmo assim, na Plataforma Lattes, base de dados de currículos e instituições, Dilma se identifica como mestra em ciência econômica, pela Unicamp, com título obtido em 1979, e informa que começou, em 1998, doutorado em ciências sociais aplicadas.

De acordo com O Globo, a Casa Civil informou que Dilma foi aluna do curso de pós-graduação (no nível mestrado) em ciências econômicas da Unicamp entre março de 1978 e julho de 1983. A ministra cumpriu os créditos exigidos pelo programa, mas não defendeu a dissertação, segundo ela, por ter assumido a Secretaria Municipal de Fazenda de Porto Alegre.

Ao entrar no doutorado, em 1998, novamente na Unicamp, ela também não defendeu a tese, porque foi novamente assumir cargo político - desta vez, na Secretaria de Minas, Energia e Comunicações do Rio Grande do Sul, de 1999 a 2002; em seguida, assumiu o Ministério de Minas e Energia (2003).

Ainda segundo o jornal, por conta da confusão, a informação foi corrigida no site da Casa Civil ao longo da sexta-feira. O texto foi trocado para "cursou mestrado e doutorado pela Unicamp". Mais tarde, porém, outra modificação foi feita, com a inclusão do texto: "foi aluna de mestrado e doutorado em ciências econômicas pela Unicamp, onde concluiu os respectivos créditos".
Atualizar: A REVISTA 'PIAUÍ' ESTÁ ME SAINDO MELHOR DO QUE A ENCOMENDA! Ela é filha do "No mínimo", praticamente. Excelentes jornalistas com viés esquerdista. Não é a primeira vez que a revista fura a grande imprensa , muitas vezes presas a questões de ordem monetária vitais para a sua circulação e... mostrar mais A REVISTA 'PIAUÍ' ESTÁ ME SAINDO MELHOR DO QUE A ENCOMENDA!

Ela é filha do "No mínimo", praticamente. Excelentes jornalistas com viés esquerdista.

Não é a primeira vez que a revista fura a grande imprensa , muitas vezes presas a questões de ordem monetária vitais para a sua circulação e tendo as grandes estatais e o governo como principal anunciante, ficam meio que âncoradas na catatonia.

Abs.
Atualização 2: Erratinhas básicas:

"muitas vezes presas" ---> muitas vezes preSA (já que falava da imprensa como ente único)

"âncorada".......sem comentários!

:o)
Atualização 3: ESQUECIOCRÉDITO

A reportagem é do Terra.
17 respostas 17