Quais foram as musicas que marcaram época nas discotecas dos anos 50, 60, 70 e 80 nacional?

Seguir
  • Seguir de forma pública
  • Seguir de forma privada
  • Deixar de seguir
Melhor resposta
  • Nana respondido 7 anos atrás
Poxa... vou tentar ajudar um pouco
As frenéticas -- dancing days
metrô - beat acelerado/no balanço da horas
léo jaime - as sete vampiras

tenta esse site:
http://pt.wikipedia.org/wiki/D%C3%A9cada...

Source:

  • Taxa
  • Comentário

Outras respostas (2)

Classificada como mais alta
  • Classificada como mais alta
  • Mais antigo
  • Mais recente
  • mimi_mirell@ respondido 7 anos atrás
    Roupa Nova...eu axo...
    Mt bom ehn...
    MARAVILHOSOS..vcs naum axam??
    • Taxa
    • Comentário
  • ooooohx respondido 7 anos atrás
    Muito já foi dito sobre os primórdios do Rock’N’Roll brasileiro (Celly Campelo & Cia), a Jovem Guarda (Roberto Carlos & Cia) e sobre as bandas brasileiras que surgiram na década de 80 (Blitz, Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Titãs etc), mas, e a década de 70? Embora os detratores digam que os anos 70 foram uma década "perdida", o fato é que sim, tivemos rock de qualidade naqueles anos! Certo, foram anos de transição (inclusive política), talvez muitas bandas não tenham apresentado trabalhos excepcionais, mas com certeza abriram caminho prá tudo o que temos hoje em dia. Talvez a maioria das bandas "copiassem" descaradamente o som que vinha de fora, talvez as letras fossem um tanto "ingênuas" (mal aliás do qual também padecem as bandas da década de 60...) mas o fato é que, sem estes verdadeiros heróis (heróis sim, se hoje é difícil fazer rock imagine naqueles tempos) não tivessem aberto caminho hoje não teríamos tudo isto que está aí! Muitos sequer deixaram registro, outros gravaram um disco ou outro e depois acabaram sucumbindo ao mainstream... bem, podem não ter feito sucesso mas pelo menos se divertiram bastante... de qualquer forma dedico este pequeno ensaio à esses heróis (muitos deles anônimos) que contribuiram prá manter acesa a chama do verdadeiro Rock!

    Long Live Rock’N’Roll

    Obs.: Deixei de fora deste pequeno ensaio Os Mutantes e Raul Seixas, pois devido à importância deles vão ter um ensaio em separado no Whiplash!

    AERO BLUES

    Superbanda formada na década de 70 por Celso Blues Boy (guitarra), Renato Ladeira (ex-membro da BOLHA - vocais e teclados), Marcelo Sussekind (outro ex-BOLHA – baixo) e Geraldo D’Arbilly (bateria). Infelizmente não deixaram nenhum registro gravado, mas diz-se que fizeram shows antológicos, principalmente num famoso clube carioca chamado Apaloosa.

    ÁGUA BRAVAS

    Já ouví falar muito desta superbanda, que aparentemente teria contado com Zé da Gaita/Ivo Ricardo e o lendário "Jacaré" na bateria. Sei que o nome Água Brava trata-se de um protesto do pessoal contra a destruição de Sete Quedas. Parece que gravaram um compacto em meados da década de 80. Porém a pessoa mais indicada prá falar sobre eles é nosso amigo Heavyman, que teve a honra de assistí-los ao vivo!

    AVE DE VELUDO

    Esta banda teve um bom disco editado pela Baratos Afins em 1982, e nem a fraquíssima produção conseguiu obscurecer o talento do pessoal. Faziam uma espécie de Hard Blues eletrificado. Formação: Índio (vocais), Paulinho Prado (baixo), Ney Prado (guitarra), e Sérgio Tenório (bateria).

    BACAMARTE

    Grupo brasileiro de Rock Progressivo na ativa desde a década de 70, porém só conseguiram gravar seu primeiro (e único disco) em 1983, considerado um dos clássicos do progressivo nacional. Formação: Jane Duboc (vocais), Mário Netto (guitarra), Delto Simas (baixo), Sérgio Villarim (teclados), Marco Veríssimo (bateria) e Marcus Moura (flauta). Já saiu em cd independente, meio difícil de ser encontrado, mas prá quem gosta de progressivo ou mesmo de boa música vale a pena batalhar uma cópia!

    BAGGA’S GURU

    Banda formada na segunda métade da década de 70 por Thomas Beerman (guitarra, vocais), Sérgio Santana (baixo), Ronaldo Anonym (teclado) e Ângelo Giannini (bateria). Seu único disco foi lançado pela Baratos Afins em 1984, embora aparentemente tenha sido gravado em 1977.

    BARCA DO SOL

    Banda brasileira que uniu em seus três discos sonoridades acústicas com toques de progressivo, aliado às letras – geralmente feita por poetas "marginais". Formação: Nando Carneiro (violão, guitarra e vocal), Muri Costa (violão e vocal), Beto Rezende (violão e percussão), Alan Pierre (baixo e percussão) e David Game (flauta). Passaram também pela Barca o cantor Ritchie e Jacques Morelembaum.

    Discografia: Barca do Sol (1974), Durante o Verão (1976), Pirata (1979)

    BIXO DA SEDA

    Formado no Rio Grande do Sul em 1967 com o nome de LIVERPOOL por Foguete (vocal), Mimi Lessa (guitarra), Peco Pássaro (guitarra), Marcos Lessa (baixo) e Édson Espíndola (bateria). Em 1971 resolveram se mudar para o Rio de Janeiro, onde lançam um compacto pela Polydor (Hey Menina). Durariam com algumas mudanças de formação até 1973, quando se separaram, voltando a se unir em 1975, desta vez tendo na formação Renato Ladeira (órgão/guitarras/harmônica/vocais), Marcos Lessa (baixo/viola/harmônica/ vocais), Mimi Lessa (guitarra solo/vocal/viola), Edson Espíndola (bateria/ percussão/vocal) e Fuguett Luz (vocal/flauta/percussão). Com esta formação gravariam seu único disco pela Continental em 1975. Contaram ainda com a presença de Vinícius Cantuária em 1976, mas logo depois se separam, desta vez em definitivo. Curioso é que boa parte dos integrantes da banda foram tocar com um grupo de discomusic (!) chamado As Frenéticas (quem têm minha idade ou um pouco mais vai se lembrar delas...) Até onde sei não existe nenhuma edição em cd deste disco, houve uma reedição em vinil pela Phonodisc em 1988, mas infelizmente numa capinha simples bem vagabunda por sinal – a original era dupla.

    BOLHA, A

    Grupo formado no Rio de Janeiro, originalmente com o nome de THE BUBBLES, tendo lançado um compacto em 1966 com as faixas "Não vou cortar o cabelo/Porque sou tão feio". Após fazer o tradicional circuito de bailes acabaram acompanhando Gal Costa como banda de apoio. Em 1970 foram assistir ao Festival da Ilha de Wight, e ficaram impressionados com o que viram por lá, de modo que retornando ao Brasil resolveram mudar radicalmente sua sonoridade, resultando num compacto simples lançado em 1971 com as faixas "Sem nada/18:30 parte I – Os Hemadecons cantavam em coro chôôôôôôô" (não me perguntem o que quer dizer isto...). Em 1972 ganham o prêmio de melhor banda no Festival Internacional da Canção, o que lhes propicia condições de gravarem seu primeiro disco em 1973, Um Passo À Frente, fazendo um rock básico com algumas faixas numa linha bem progressiva. Nesta época a banda contava com Pedro Lima (guitarras, harmônicos, vocal), Renato Ladeira (órgão Hammond, Farfisa, guitarras, vocal), Lincoln Bittencourt (baixo, vocal) e Gustavo Schroeter (bateria, vocal). Em 1975 participam do lendário festival "Banana Progressiva" realizado no Teatro da Fundação Getúlio Vargas dos dias 29 de maio à 1º.de junho. Após alguns altos e baixos e mudanças de formação, em 1977 gravam seu segundo e último disco, É Proibido Fumar, no qual adotaram uma sonoridade um pouco mais "pesada", abandonando definitivamente o progressivo. Nesta época a formação era Renato Ladeira (guitarra, teclados e vocal), Pedro Lima (guitarra), Lincoln Bittencourt (baixo,vocal), Sérgio Herval (bateria). Mas as vendas não foram muito boas, o que acabou decretando o fim da banda, logo após tocaram como banda de apoio numa turnê de Erasmo Carlos.

    CASA DAS MÁQUINAS

    Uma particularidade no caso desta banda é que tiveram apenas três discos lançados totalmente diferentes entre sí! Formada em 1973 por Netinho (Luiz Franco Thomaz – bateria, percussão), Aroldo (José Aroldo Binda – violão, guitarra e vocal), Carlos Geraldo (baixo, vocal), Pisca (Carlos Roberto Piazzoli – guitarra, órgão, baixo, violão), Pique (piano, órgão, sax, flauta). Com esta formação gravam seu primeiro lp em 1973 intitulado somente "Casa das Máquinas". Na época seu som oscilava entre hard/pop com ligeiras pitadas de MPB. Prosseguiram fazendo o circuito de bailes e clubes na periferia de São Paulo. Em 1975 sai Pique e entram Marinho (Mário Franco Thomaz – irmão de Netinho – na bateria, percussão e vocais e Marinho II (Mário Testoni Jr – órgão, clavinete, moog, melotron, pianos). Lançam seu segundo disco, "Lar de Maravilhas", um clássico do progressivo nacional. Prosseguem fazendo shows e em 1976 gravam mais um disco, outro clássico do rock nacional da década de 70, só que desta vez adotando o rock’n’roll, o "Casa de Rock". Duram até 1977 quando se envolvem num episódio mal-esclarecido que resultou na morte de um cinegrafista da TV Record. Inexplicavelmente o primeiro disco continua inédito em cd até hoje.

    CHAVE, A

    Banda de hard-rock formada em Curitiba em 1975 por Ivo Rodrigues (guitarra e vocal), Paulino de Oliveira (guitarra e vocal), Carlão Gaertner (baixo) e Orlando Azevedo (bateria). Aparentemente eles teriam gravado um lp em 1976, porém se existe é raríssimo. Não confundir com a quase homônima banda paulistana (A Chave do Sol) .

    FLAMBOYANT

    Outra lendária banda da década de 70 que infelizmente não nos legou nenhum registro fonográfico (ao lado do Aero Blues). Atuaram entre os anos de 76 e 77, tendo feito inclusive shows com Raul Seixas. Sua formação girou em torno de Celso Blues Boy (guitarra), Zé da Gaita (guitarra e vocal), Gabriel O’Meara (ex-PESO – guitarra), Papineanu Constant (outro ex-PESO – teclados), Carlinho Scart (baixo), Vicente de Oliveira (bateria) e Élcio Binóculo (bateria). Torçamos prá que um dia apareça alguma fita que esteja perdida em algum canto.

    HUMAUACA

    Lendário grupo Brasileiro/Argentino de folk/rock/jazz/blues formado em meados da década de 70 por Billy Bond e Américo Iça (vocais), Daniel Mencini (guitarra), Emílio Carreira (teclados), Willy Verdaguer (baixo), Dudu Portes (bateria – depois substituído por Chico de Medori) e Márcio Werneck (flauta, sax e percussão). Não nos legaram nenhum registro na época, porém a Record Runner está prometendo prá breve um lançamento em cd de um show ao vivo em 1978.

    JOELHO DE PORCO

    Embora não possa ser considerada como uma banda de rock, pois agregava diversos elementos à sua música, incluindo todo um lado "teatral" nas suas apresentações, o Joelho de Porco angariou muitos fãs roqueiros com sua "mistureba" de rock com ritmos latinos, música sertaneja, samba, etc. Sua formação sofreu muitas variações com o passar dos anos (só perdem para o Made in Brazil) girando em torno de Próspero Albanese (vocal, ocasionalmente bateria) e Tico Terpins (violão, guitarra e vocal). Passarem pelo Joelho Billy Bond, Ricardo Petraglia, Conrado Assis, Flávio Pimenta, Mozart de Mello, etc etc etc...

    Discografia: São Paulo – 1554/hoje (1975), 45 rpm (1977), Joelho de Porco (1978), Saqueando a Cidade (1983), 18 Anos sem Sucesso (1987)

    LEGIÃO ESTRANGEIRA

    Grupo formado em 1976 por Celso Blues Boy (vocal,guitarra), Ernesto Blogg (baixo) e Fernando (bateria). Dizia-se que faziam um hard-blues de extrema competência, mas infelizmente foi outra banda que não nos deixou nada gravado.

    MADE IN BRAZIL

    Decanos do rock brasileiro, na estrada desde o final da década de 60 até os dias de hoje, o Made já teve mais de cinquenta formações diferentes em toda sua existência, mas sempre girando em torno dos irmãos Celso e Oswaldo Vecchione (baixo e guitarra respectivamente). Já passaram pelo Made músicos lendários do rock nacional como Cornélius, Babalu, Zeca Jagger e muitos outros. Apesar de ter uma discografia pequena, o Made consegue manter seu público fiel devido ao grande número de shows que realizam.

    Discografia: Made in Brazil (1974), Jack o estripador (1976), Paulicéia desvairada (1978), Minha vida é o Rock’n’Roll (1980), Pirata – ao vivo (1986)

    MÓDULO 1000

    Banda carioca formada em 1969 por Daniel (guitarra), Luís Paulo (teclados), Eduardo (baixo) e Candinho (bateria). Nunca ouví o som deles, mas dizem que trata-se de um hard-rock com algumas pitadas de blues (o que me deixa extremamente curioso...). Lançaram um compacto em 1970 e um lp (raríssimo) em 1972 chamado "Não fale com as paredes".

    MOTO PERPÉTUO

    Primeira banda de Guilherme Arantes, antes dele se tornar um "astro pop". Faziam uma mistura de Rock Progressivo com pitadas de MPB e música Pop. Particularmente só conheço um lp deles lançado em 1974, mas dizem que houveram dois discos anteriores, um de 1969 (!) e outro de 1971.

    PATRULHA DO ESPAÇO

    Formada em meados da década de 70 como banda de apoio à Arnaldo Batista, faziam um som pesado (prá época), tendo lançado quatro discos entre 1978 e 1983, todos com o nome de Patrulha do Espaço. Passaram pelo Patrulha Sérgio Dias (guitarra), Percy Weiss (ex-Made in Brazil – vocal) John Flavin (guitarra), Oswaldo Cokinho (baixo), Rolando Castelo Júnior (bateria) e Guina Martins (teclados). Existem também dois discos gravados na época em que estavam com Arnaldos, chamados "O Elo Perdido" e "Faremos uma noitada excelente" (gravado em vivo em 13/05/78).

    PESO, O

    Banda formada no Ceará no início da década de 70 por Luís Carlos Porto e Antônio Fernando, que montaram uma dupla e vieram ao Rio de Janeiro participar do VII Festival Internacional da Canção em 1972 defendendo uma música chamada "O Pente". Pouco depois se separam e em 1974 Luís Carlos se junta a Gabriel O’Meara (guitarra), Constant Papineau (piano), Carlinhos Scart (baixo) e Carlos Graça (bateria). Logo em seguida lançam o petardo "Em busca do tempo perdido", seu único disco, um clássico do rock nacional!

    Infelizmente as vendas não foram muito boas, e a banda acaba em 1977.

    RECORDANDO O VALE DAS MAÇÃS

    Grupo de Rock Progressivo formado na década de 70 por Fernando Pacheco (violão, guitarra), Ronaldo Mesquita (baixo), Fernando Motta (violão), Eliseu de Oliveira Filho (teclados), Moacir Amaral Filho (flauta), Luiz Aranha (violino) e Lourenço Gotti (bateria). Lançam um lp em 1978 (As crianças da nova floresta) numa linha meio folk, com bastante baladas acústicas e uma pitada de progressivo. Em 1994 houve o lançamento deste disco em cd, porém não se trata do mesmo álbum mas sim de uma regravação feita especialmente para o lançamento em cd!

    ROCK DA MORTALHA

    Infelizmente não disponho de maiores informações sobre esta lendária banda, apenas que participaram do festival de Águas Claras em 1975 e segundo fontes que assistiram ao show, faziam um som a la Black Sabbath...

    SECOS E MOLHADOS

    Embora não possa ser considerada propriamente uma banda de rock, pois agregava um pouco de jazz, mpb e o que mais viesse à cabeça de seus componentes, o S&M merece um lugar na história do rock brasileiro. Tudo começou por volta de 1971 com o jornalista português João Ricardo, que tinha uma única idéia: fundir a música dos Beatles com a poesia de Fernando Pessoa/Oswald de Andrade e de seu próprio pai, João Apolinário, numa banda de rock. Logo conheceu Gérson Conrad, violinista e compositor, influenciado por jazz/bossa nova, e decidiram formar uma banda que pusesse tudo isto no liquidificador. Faltava um cantor, e eis que surge um cantor/ator extremamente carismático: Ney Matogrosso: pronto, estava formado um dos maiores fenômenos da música brasileira da década de 70: SECOS E MOLHADOS. Seu primeiro disco lançado em 1973 foi um sucesso absoluto, conseguiu desbancar o rei Roberto Carlos em vendas! Ao vivo seus shows marcaram época, graças à extrema habilidade de seus músicos e às perfomances provocantes (prá época) de Ney Matogrosso. Em 1974 mais um disco (também chamado somente Secos e Molhados) novamente um grande sucesso. Logo em seguido Ney resolve seguir carreira solo pondo fim à banda. João Ricardo ainda tentaria ressuscitar a banda por duas vezes, em 1977 e 1980, mas em vão, pois o S&M já havia cumprido seu papel.

    Discografia: Secos & Molhados (1973), Secos & Molhados (1974), Secos & Molhados (1978), Secos & Molhados (1980), Ao Vivo no Maracanãzinho (1981)

    SOCIEDADE ANÔNIMA

    Banda carioca que tocava um blues com pitadas de hard-rock no início da década de 70, tendo lançado um disco homônimo em 1972 pela Som Livre (alguém teria uma cópia por aí?)

    SOM IMAGINÁRIO

    Superbanda de apoio a Milton Nascimento formada em 1970 para o show "Ah! É O Som Imaginário", tendo partido para carreira-solo no mesmo ano. Embora tenha durado apenas três anos, por ela passaram diversos músicos. Seus dois primeiros discos seguem uma linha mais MPB, porém o último (Matança do Porco) fazia uma bem-acabada síntese de jazz e rock progressivo, sendo nesta época a formação Wagner Tiso (teclados), Luíz Carlos (baixo), Robertinho (bateria) e Tavito (guitarra). Neste disco contam ainda com a participação de Milton Nascimento. Os três discos foram relançados em cd num belíssimo box-set com uma reprodução das capas originais (ou seja, prá se comprar um têm que levar os três...)

    Discografia: Som Imaginário (1970), Nova Estrela (1971), Matança do Porco (1973)

    SOM NOSSO DE CADA DIA

    Formado em 1970 por Manito (teclados, violino, flauta, sax), Pedrinho (vocal e bateria), Pedrão (baixo, viola e vocal) inicialmente chamavam-se CABALA, tendo sido o primeiro grupo brasileiro à aparecer com os rostos pintados em cartazes publicitários – muitas pessoas pensam que isto começou com os SECOS & MOLHADOS. Pouco tempo depois sob a influência de Capitão Fuguete – pseudônimo de Paulinho Machado, figura lendária no meio artístico, poeta e historiador musical, resolvem trocar o nome da banda para SOM NOSSO DE CADA DIA – título de um poema feito por ele. O primeiro show feito com este nome foi no ginásio do Ibirapuera no Kohoutek Festival em 1973. Gravam então seu primeiro e clássico álbum – Snegs – marco do progressivo brazuca, lançado em 1974, praticamente na mesma época em que fazem os shows de abertura da famosa turnê de Alice Cooper, fazendo cinco memoráveis shows com um público estimado de 140.000 pessoas! Apesar do sucesso relativo, Manito resolve deixar a banda no final de 1975, que passa a contar com Tuca (teclados) e Egídio Conde (guitarras). Com esta formação lançam mais um disco em 1977, Som Nosso (Sábado/Domingo), no qual adotaram uma sonoridade funk(?) – dizem que este disco é um marco do movimento funk carioca, contendo inclusive uma música que deu nome à uma famosíssima banda carioca de funk – Black Rio. Após mais algumas andanças, a banda encerra atividades com um show na Bahia em 1977 – gravado em tape e disponível no circuito dos "colecionadores" – desta vez com a seguinte formação: Pedrinho, Pedrão, Ricardo Cristaldi (teclados) e Luciano Soares (guitarras). Em 1996 lançam o "Live 94", registro de um show ao vivo acontecido nos dias 01 e 02 de outubro de 1994 no Centro de Cultura de São Paulo, onde os veteranos Manito, Pedrão e Pedrinho, acrescido de Homero Lotito nos teclados e Jean Trad nas guitarras nos dão uma verdadeira aula de boa música!

    TELLAH

    Grupo brasiliense de progressivo (com pitadas de hard-rock) formado em meados da década de 70 por Cláudio Felício (guitarra), José Veríssimo da Silva (baixo) e Felipe de Andrade Guedes (bateria). Montaram uma peça de teatro em 1977 chamada "O Cavalo de Guerra". Em 1980 gravam seu único disco ("Continente Perdido " - já relançado em cd), contando somente com Cláudio da formação original, desta vez ao lado de Denis Torre (bateria, violão, sintetizador, vocal) e Marconi Barros (baixo, violão, sintetizador, vocal).

    TERÇO, O

    Uma das maiores bandas de rock brasileiro da década de 70, o Terço iniciou suas atividades no final da década de 60 contando na época com a seguinte formação: Sérgio Hinds (guitarra, vocal), César das Mercês (baixo) e Vinícius Cantuária (bateria). Lançam seu primeiro disco em 1970 com Jorge Amiden no lugar de César das Mercês, basicamente rock anos 60 com algumas leves pitadas de progressivo. Somente em 1973 com o lançamento do segundo disco é que adotam definitivamente o progressivo, embora seu disco mais famoso tenha sido o Criaturas da Noite, um clássico do rock brazuca! Nesta época a banda contava com Hinds, Moreno, Magrão e Flávio Venturini (teclados, viola, vocal). Apesar de ser o disco mais famoso do Terço, estranhamente até hoje a única edição em cd deste disco foi da versão em inglês (!) lançada em 1976 visando o mercado externo. Em 1976 lançam Casa Encantada, com a participação de César das Mercês desta vez na flauta. Logo após Venturini deixa a banda, que lança mais três discos, desta vez optando por uma sonoridade mais MPB. Desaparecem então por um bom tempo, retornando em 1993 com Time Travellers, desta vez com Sérgio Hinds (vocal, guitarra), Luiz de Boni (teclados), Andrei Ivanovic (baixo) e Franklin Paolillo (bateria). Em 94 sai mais um disco, desta vez gravado ao vivo com uma Orquestra Sinfônica!

    Discografia: O Terço (1970), Terço (1973), Criaturas da Noite (1975), Casa Encantada (1976), Mudança de Tempo (1978), Som Mais Puro (1982), Time Travellers (1993), Live at Palace (1994)

    TERRENO BALDIO

    Banda de Rock Progressivo formada no início da década de 70, porém só conseguiram gravar seu primeiro disco em 1975 com a seguinte formação: Ronaldo Lazzarini (teclados), Mozart de Mello (guitarra, vocais), João Ascenção (baixo), Fusa (vocais) e Joaquim (bateria). Em 1978 gravam mais um disco (Além das Lendas Brasileiras) desta vez contando com Ayres Braga no lugar de Ascenção. Houve um relançamento do primeiro disco em cd no ano de 1993, mas devido ao fato das fitas-master terem desaparecido ainda na década de 70, foram convocados Lazzarini, Mello e João Carlos Kurk (vocal, flauta, percussão) para uma regravação do mesmo (interessante é que houve uma reedição em vinil pirata datada da mesma época – gravada de uma cópia em vinil! Isto sem contar que o nome da gravadora original da época era "Pirata"...)

    VELUDO

    Grupo carioca formado em 1972 com o nome de Veludo Elétrico, considerado um verdadeiro celeiro de músicos brasileiros, por lá passaram Lulu Santos (guitarra), Fernando Gama (baixo), Rui Motta (bateria), Nélson Laranjeiras (baixo, vocal), Túlio Mourão (teclados), Pedro Jaguaribe (baixo), Gustavo (bateria) e muitos outros... Seu som era uma mistura de hard-rock com blues e progressivo, mais umas leves pitadas de MPB. Em 1998 houve o lançamento de um cd contendo a apresentação deles no festival "Banana Progressiva" realizado em 1975.

    VÍMANA

    Lendária banda brasileira da década de 70, o Vímana foi formado em 1974 por Fernando Gama (ex-Veludo – baixo), Lulu Santos (outro ex-Veludo – guitarra), Luiz Paulo Simas (ex-Módulo 1000 – teclado) e Candinho (outro ex-Módulo 1000 – bateria). Em agosto de 1974 fazem sua estréia ao lado dos MUTANTES, O TERÇO E VELUDO num festival em São Paulo. Em 1975 tocam no Hollywood Rock (sim, isto já existe desde aquela época... inclusive dizem que existem cópias em vídeo da apresentação deles - alguém por aí teria?). Nesta época Candinho se torna discípulo de um guru oriental, e acaba saindo da banda. Entram então na banda Ritchie (vocais, flauta) e João Luís Woenderbarg – o popular Lobão (bateria). Com esta formação gravam um disco (que não foi lançado até hoje) e um compacto simples contendo as músicas Zebra/Masquerade em 1977, pouco antes de implodir. Pena que hoje os atuais ex-integrantes reneguem seu passado chamando o tipo de som que faziam de "masturbação musical"...
    • Taxa
    • Comentário
  • Sign In 

    para adicionar sua resposta

Quem está seguindo esta pergunta?

    %
    MELHORES RESPOSTAS
    Membro desde:
    Pontos: Pontos: Nível
    Total de respostas:
    Pontos nesta semana:
    Seguir
     
    Deixar de seguir
     
    Bloquear
     
    Desbloquear