Anônimo
Anônimo perguntou em Educação e ReferênciaAjuda para Lição de Casa · Há 1 década

Alguém tem o livro ou resumo de Redação Publicitária de Jorge S. Martins?!?

2 Respostas

Classificação
  • Há 1 década
    Resposta favorita

    O manual Redação publicitária: teoria e prática (1997), do professor Jorge S. Martins, merece destaque por ser um dos poucos escritos com fundamentação nas pesquisas em lingüística e semiótica, dirigidas contra as chamadas improvisações de linguagem, em capítulos como “Evolução da linguagem publicitária” e “Origem da força da linguagem publicitária”. Além de ser uma fonte de consulta e orientação, considerada mais atual e consistente por Vianna, também faz parte do pequeno número de livros sobre o tema que descreveu a história da publicidade no Brasil, ainda que em consonância com os acontecimentos tidos como oficiais apenas no país e com o desenvolvimento dos meios de comunicação, à parte da “história do mundo” ou de outros elementos quaisquer. É o que fica patente em partes como “Antecedentes históricos” e “Fases da publicidade brasileira”. Os demais manuais de publicidade destacados no meio acadêmico, ou não tratam especificamente de linguagem e historicidade, como Tudo que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar (1989), em que é apresentada a atividade nos departamentos e alguns casos de propagandas famosas; ou, quando tratam de linguagem e historicidade, o fazem menos detidamente, sem recurso aos estudos de lingüística e semiótica, por exemplo, como Teoria, técnica e prática da propaganda (1973). Já os códigos de ética sobre a atividade publicitária não mencionam especificamente a historicidade da publicidade brasileira, mas sim o tema da linguagem, como nos pontos II e III da parte “O código de ética dos profissionais da propaganda”, n’A Legislação da Propaganda; nos parágrafos 2°-Alegações e 6°-Nomenclatura, Linguagem, “Clima”, do Artigo 27, na Seção 5-Apresentação Verdadeira, do Código Brasileiro de Auto-Regulamentação Publicitária; e no parágrafo 1° do Artigo 37, na Seção III-Da Publicidade, do Código de Proteção e Defesa do Consumidor.

    Compreendo então política de língua à maneira de Eni Pulcinelli Orlandi, ou seja, como a manifestação do discurso declarado, segmentado como oficial, e o efetivamente aceite ou praticado, em relação a outros possíveis que não foram evidenciados porque correspondem a outros recortes, constructos teóricos possíveis, relações de sentido em descontinuidade linear ou causal na história das idéias tornadas oficiais. Tal política lingüística pode ser avaliada com base no manual de Jorge S. Martins, mestre em lingüística e semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, instrutor de cursos de língua portuguesa e redação, com experiência profissional na área de publicidade na Bahia, em 1997. Se neste manual a política de língua diz respeito à historicidade da publicidade brasileira às voltas com o purismo da linguagem e com a ética da profissão, é possível inferir que tanto ele quanto os códigos sustentariam a suposição da transparência da língua ou de uma realização efetiva da comunicação. Hipótese que, com a análise da historicidade da publicidade no manual selecionado e da veracidade em propaganda nos códigos mencionados, não procede quando se trata da atividade publicitária. Isto, porque cada efeito de sentido produzido no público é antes um “mal entendido bem sucedido”, no dizer de Lacan. Do consumo à indignação, nunca haveria, assim, o reconhecimento de uma verdade a priori, unívoca, universal, absoluta e, portanto, impossível de haver senão construída historicamente.

    No que concerne ao purismo lingüístico, este é compreendido como a perspectiva dos estudiosos para os quais o texto publicitário deve preservar a norma culta da língua portuguesa, rejeitando as expressões populares e os estrangeirismos como empecilhos da comunicação das mensagens textual e visual, para um suposto público mais simples, ignorante. Martins, por exemplo, é um dos que defende a correção da linguagem nas mídias impressa e eletrônica. Para ele, deve haver o “uso moderado de erros” inseridos nos “hábitos lingüísticos do registro coloquial”, a fim de “produzir determinados efeitos” de sentido, da persuasão ao consumo. Por outro lado, entendo que há uma perspectiva não purista em relação à linguagem publicitária, verbal e não-verbal, como o uso de expressões populares e estrangeiras, sem prejuízo para a produção de sentido mais adequada, útil. Sobre isso, concordo com Roberto Menna Barreto, publicitário e antigo professor na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, para quem: “Desmistificar-se é perder o medo, (...) duvidar profundamente de todas as regras e partir para o caso real, específico, e sua solução”.

    Quanto ao que é prescrito nos manuais e códigos, e o que ocorre nos anúncios brasileiros, por exemplo, menciono a crítica de José Luiz Fiorin, lingüista e professor na Universidade de São Paulo, dirigida ao projeto de lei de Aldo Rebelo, deputado federal paulista do Partido Comunista do Brasil. Em entrevista concedida à jornalista Eliane Azevedo, para o Jornal do Brasil, em março de 2002, Fiorin afirma que o projeto que prevê multas para os estrangeirismos, sobretudo no que se refere à produção e publicidade de bens e serviços, não passa de nacionalismo xenófobo, um equívoco político do deputado. Assim, o que seria o principal problema lingüístico decorrente da assimilação de termos estrangeiros, uma possível “dificuldade de comunicação para o homem simples do povo”, antes caracterizaria uma espécie de preconceito quanto à capacidade imediata de aprendizagem de palavras novas por parte da população brasileira. Contudo, Fiorin também propõe uma política de proteção do português menos vaga que aquela do projeto do deputado. Além disso, ele admite a tentativa da hegemonia da língua norte-americana no país e em boa parte do mundo supostamente globalizado em termos de economia, embora associe mais o uso do inglês aos shoppings e à informática no país, afirmando que “...quando uma parte do léxico passa a ser importante para uma pessoa, ela aprende...”. Afinal, contrariando a crítica purista endereçada à linguagem textual na publicidade, os estrangeirismos, sobretudo os atuais norte-americanos, não seriam insuficientes para caracterizar uma dificuldade de comunicação do público simples, uma vez que parecem contribuir sincronicamente para a garantia de um efeito de sentido oportuno e intensificado ou diacronicamente para a inevitável reelaboração do léxico pelos homens? É o caso de vocábulos “aportuguesados” ou não, como xampu e diet, entre outros difundidos, por exemplo, através de propagandas.

    Em relação ao tema da historicidade, considero a história produzida como oficial em relação aos eventos que lhe deram um corpo e não outros, ou seja, como uma “posição resolutamente historicista”, no dizer de Sylvain Auroux, ou melhor, sem pensar a história da publicidade no Brasil como “uma questão de origem e esperar dela a explicação do que existe”, como assinala Paul Henry. Procuro então compreender a historicidade da nossa publicidade à semelhança do que afirma Michel Foucault, a partir da “genealogia do poder” que se opõe à suposta condição da história como exterioridade, espécie de ente que, de uma posição imaginariamente privilegiada determinaria sentidos e finalidades para os eventos. Martins, em seu manual de redação publicitária, subdivide então a história da publicidade em três momentos: de 1808 a 1891, de 1891 até por volta da primeira metade do século XX, e da segunda metade do século XX aos dias de hoje. Contudo, Martins parece vincular o advento da publicidade a datas e eventos históricos nacionais e internacionais tomados como oficiais. Ele destaca na primeira fase, por exemplo, o advento da imprensa no país, os reclames ilustrados com charges e fotografias que imitavam o modelo francês, anunciando escravos e outras “peças”, além da fundação da Empresa de Publicidade e Comércio. Na segunda fase, ele cita a contribuição inicial de intelectuais brasileiros (escritores, poetas, artistas, jornalistas) e a expansão das mídias eletrônicas (rádio, cinema, televisão), bem como a introdução de houses, agências no estilo americano. Já na terceira fase, Martins ressalta a profissionalização brasileira, por contrato externo ou vínculo com agências e a consolidação de cursos de publicidade. Mas, por que não pensar tal historicidade menos por uma melhoria técnica em termos de imprensa (1ª fase), intelectuais (2ª fase) e profissionais (3ª fase), e mais por um contágio com outros elementos? Valeria uma pesquisa sobre a relação com a arte impressionista, as litogravuras, a fala dos “brasileiros” (1ª fase); a linguagem das novas mídias além da impressa (rádio, cinema, televisão na 2ª fase); e o caso da legitimação dos cursos de publicidade, e da linguagem das propagandas na multimídia da Internet (3ª fase). Aliás, nessa última fase em que vivemos, os publicitários passam a exportar a técnica da publicidade para a ex-colônia portuguesa e para o mercado espanhol.

    Concordando com Dominique Maingueneau, concebo então prática discursiva como a materialidade da linguagem publicitária, e considero prática não discursiva como a expressão social ou institucional da publicidade. Mas amplio essa compreensão para uma perspectiva “microfísica”, no dizer de Foucault, quando relaciono o efeito de sentido nos anúncios elaborados à não relação necessária com uma verdade natural nem previamente concebida. Nesse sentido, o próprio Martins dedica partes de seu manual para defender a preservação de nossa língua, como “Vamos preservar a língua nossa de cada dia”, e para o ensino de “Como aproveitar clichês” com base em ditados populares, ou da “Ambigüidade e polissemia” para um presumido enriquecimento do sentido das mensagens. De modo algum ele se pergunta sobre a inevitável dispersão da significação nas propagandas em que os publicitários tentam contornar as características nocivas de alguns produtos, por exemplo, como bebidas ou cigarros. Paradoxalmente, nenhum apelo à veracidade das mensagens verbal e visual parece ser claro nesses casos, em detrimento das advertências nos códigos, confirmando a hipótese da não transparência da linguagem publicitária

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
  • JP
    Lv 6
    Há 1 década

    Você pode utilizar para trabalhos escolares:

    •sites de busca, como o Google: http://www.google.com.br

    •sites de imagens, como o GImages: http://images.google.com

    •enciclopédias virtuais, como: http://pt.wikipedia.org

    •tradutores de textos, como: http://babelfish.altavista.com

    •páginas escolares, como: whttp://ww.bussolaescolar.com.br

    •sites para estudantes, como: http://www.oportaldosestudantes.com.br

    •bibliotecas virtuais, como: http://www.bn.br

    Espero que possa ter te ajudado com esses links.

    Agora, você poderá fazer seu trabalho e aprender um pouco mais.

    Boa noite!

    • Commenter avatarFaça login para comentar as respostas
Tem mais perguntas? Obtenha suas respostas perguntando agora.