Como podemos evitar o desequilibrio ambiental?

Seguir
  • Seguir de forma pública
  • Seguir de forma privada
  • Deixar de seguir
Melhor resposta
Separando o lixo, econonizando água, produzindo menos lixo, comprar e gastar só o necessário,começa assim
  • Taxa
  • Comentário

Outras respostas (2)

Classificada como mais alta
  • Classificada como mais alta
  • Mais antigo
  • Mais recente
  • Carlos Mello respondido 7 anos atrás
    O aquecimento global já acabou. De acordo com Robert Carter, geólogo australiano, no simpósio "Global Warming - Scientific Controversies in Climate Variability", realizado no KTH (Instituto de Tecnologia ) de Estocolmo, Suécia, em 11-12 de setembro de 2006, que fez a apresentação intitulada "Deep time to our time: the scale factor in climate change", foram comparados resultados obtidos com cilindros de gelo, da antártida e da Groenlândia, e sedimentos marinhos da plataforma da Nova Zelândia. De acordo com as análises efetuadas, ele conclui que o "global warming" teve um máximo de 1998. Desde então verifica-se uma tendência para a DIMINUIÇÃO DAS TEMPERATURAS MÉDIAS GLOBAIS.
    Em termos de radiação a taxa de aumento entre 1993 e 2005 foi de + 0,33W/m2. Já a taxa de arrefecimento entre 2003 e 2005 foi de -1,01 W/m2. O oceano de onde foram retirados os sedimentos arrefeceu entre 2004-2005.

    Bob terminou com um lamento. Afirmou que hoje em dia, um cientista que faça públicamente afirmações não-alarmistas, como a que ele fez em Estocolmo, já sabe que vê as portas fechadas para financiamento das suas investigações.

    Dito seminário foi concebido como o primeiro debate público entre os catastrofistas e os cientistas independentes; no entanto só compareceram estes últimos, numa demonstração de que os alarmistas têm algo a esconder.

    O "aquecimento" global virou uma espécie de dogma religioso, sem bases científicas de sustentação e que é refutado conclusivamente todos os dias, mas a grande mídia não se interessa em publicar os resultados, fabricando um "consenso" que não existe. O que acima relatei apenas encontrei no Blog "Mitos-climáticos" (SETEMBRO DE 2006)do meteorologista Rui G. Moura. Também no site Alerta.inf.br está publicado um trabalho do Instituto de Ciencias Atmosféricas da Universidade Federal de Alagoas, que deixa os fanáticos da meteorologia numa verdadeira "saia-justa", ao constatar que a civilização humana é responsável por apenas 1,1% do efeito-estufa , sendo o crescimento do CO2 - o alegado vilão das temperaturas atmosféricas - 99,9% oriundo da natureza.

    Veja também o site Metsul, onde o meteorologista Eugênio Hackbarth explica o aquecimento atmosférico como sendo resultado de um mero fenômeno natural e cíclico : a ODP, Oscilação Decadal do Pacífico, que dura mais ou menos vinte a vinte e cinco anos, tendo o último ciclo se iniciado em 1975 e encerrado mais ou menos em 1998, quase exatamente o ano fatídico que Bob Carter aponta para o fim do "Global Warming".

    Neste site, você encontrará, para download, o vídeo "The Great Global Warming Swindle" ( A Grande Fraude do Aquecimento Global"), veiculado no Channel Four da televisão britânica em 08 de março, e que desmonta um a um os fraudulentos argumentos do sensacionalista vídeo "Uma Verdade Inconveniente", do político e candidato a candidato a presidente dos Estados Unidos, Al Gore, que chegou ao extremo de filmar um urso polar no zoológico como se estivesse no Ártico!

    Tramóias como a do "aquecimentismo" apeans encobrem o fato de que o mundo atravessa cíclicamente períodos de elevação das temperaturas e períodos de resfriamento. Nos últimos dois m il anos houveram três grandes períodos de aquecimento ( antes da climatologia ser uma ciência politizada e ideologizada, os períodos de aquecimentio eram chamados de "Ótimos Climáticos", devido ao correto entendimento de que são benéficos para a biosfera em geral):
    - O Ótimo Climático Minóico (1.450 a 1.300 A.C.);
    -O Ótimo Climático Romano (250 A.C. até mais ou menos o ano zero da era cristã); e
    -O Ótimo Climático Medieval (800 D.C. a 1.000 D.C.)

    A verdade é que, devido ao caráter cíclico dos parâmetros orbitais de nosso planeta, o mundo está prestes a entrar numa nova era do gelo ( devido, também, a variações da atividade solar).
    É o que prognosticou em 1936 o cientista sérvio Milutin Milankovitch.
    Como o futuro próximo aponta para reduções na atividade solar, muitos cientistas estão prognosticando uma correspondente queda nas temperaturas. Um deles á o astrofísico russo Khabibullo Abdusamatov, do Observatório Astronômico Pulkovo de São Petersburgo, que prevê o advento de uma "mini-idade do gelo" em meados do século ( exatamente quando os "Nostradamus" do clima, os integrantes do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU previram grandes catástrofes hollywoodianas), com uma queda de temperatura de 6 a 7º C ( os catastrofistas de plantão estão histéricos com um ridículo aumento de 0,6º em 150 anos!), que deverá começar a se manifestar já na próxima década!
    Dois compatriotas seus, Galina Mashnich e Vladimir Bashkirtsev, do Instituto de Física Solar e Terrestre de Irkutsk, antecipam uma drástica queda de temperatura na década de 2020, na medida que se aproxime a fase de atividade solar mínima, conhecida como Mínimo de Gleissberg, a partir de 2030.

    Tais prognósticos, na contramão da politização das ciencias climáticas predominante na Europa e américa do Norte, se devem a um método científico superior e refratário ao reducionismo mecanicista prevalecente na ciencia ocidental, que privilegia toscos modelos matemáticos computadorizados ( e que dependem da introdução de parâmetros subjetiivos, como a cobertura de nuvens, impofrtantíssimo fator de influencia da temperatura da superfície) em detrimenmto do esforço para a obtenção de uma visão dos fenômenos planetários e cósmicos como o estabelecido pelo grande cientista Vladimir Vernadski, que inspirou toda uma escola de seguidores em seun país.

    Certos da superioridade de seu método, Mashnich e Bashkirtsev aceittaram o desafio de seu colega britânico James Anna e apostaram 10 mil dólares em que as temperaturas do planeta começarão a cair já na próxima década.

    Pelos termos da aposta, que será decidida em 2018, as temperaturas médias do período 1998-2003 serão comparadas com as registradas no período 2012-2017. Se as temperaturas do segundo período forem superiores, Anna, um especialista em modelagem computadorizada, levará o dinheiro.

    Em tempo, Bob Carter é investigador do Laboratório Geofísico Marinho da Universidade james Cook, Austrália.
    É autor de uma vasta obra que se pode encontrar fácilmente na Internet.

    Quanto aos aquecimentistas histéricos eu pergunto: alguém os conhece? Quais são os seus currículos? Quais são as suas graduações? A que universidades eles são vinculados?
    Quais são suas contribuições para a ciência climática?Ao menos eles são cientistas?
    • Taxa
    • Comentário
  • Daniele Fabiana G respondido 7 anos atrás
    Para evitar o desequilíbrio ambiental é necessário a criação de unidades de conservação, parques, reserva legal, e demais áreas verdes, além de replantio de espécies de plantas arbóreas nativas, frutíferas tanto no zona rural quanto na urbana. Além disso, realizar práticas de manejo que visem a manutenção da qualidade do solo, rotação de culturas, diversificação dos sistemas agrícolas, evitar a poluição das águas superficiais e subterrâneas, através de tratamentos de esgotos e o não lançamento de dejetos e embalagens de agrotóxicos, bem como a redução do uso de agroquímicos, reduzir a circulação de meios de transportes que emitem CO2, e cuidados na emissão de gases poluentes pelas indústrias e outros produtos tóxicos podem contibuir para evitar o desequilíbrio ambiental.
    • Taxa
    • Comentário
  • Sign In 

    para adicionar sua resposta

Quem está seguindo esta pergunta?

    %
    MELHORES RESPOSTAS
    Membro desde:
    Pontos: Pontos: Nível
    Total de respostas:
    Pontos nesta semana:
    Seguir
     
    Deixar de seguir
     
    Bloquear
     
    Desbloquear