Começou a perseguição contra os cristãos que não concordam com o comportamento homossexual! O que você acha?

Prepare-se para a guerra João A. de Souza Filho Enquanto escrevo este artigo, recebo pelo computador apelos de todo o Brasil por uma mobilização nacional dos crentes contra a lei que pretende ampliar o direito dos gays, lésbicas e simpatizantes que certamente será aprovada pelo Senado Federal. Os... mostrar mais Prepare-se para a guerra

João A. de Souza Filho


Enquanto escrevo este artigo, recebo pelo computador apelos de todo o Brasil por uma mobilização nacional dos crentes contra a lei que pretende ampliar o direito dos gays, lésbicas e simpatizantes que certamente será aprovada pelo Senado Federal. Os homossexuais estão buscando ampliar o direito à liberdade e a lei que será aprovada pune severamente toda e qualquer pessoa que repreender ou discriminar as manifestações públicas deles.


Além dos direitos previstos na Constituição para todas as pessoas, o homossexual ganhará privilégios. Pois quem ousar criticar tal conduta será tratado como criminoso. Os primeiros a sofrerem perseguição serão os cristãos e os pregadores. A proposta pretende punir com 2 a 5 anos de reclusão aquele que ousar proibir ou impedir a prática pública de um ato obsceno (“manifestação de afetividade”) por homossexuais (art. 7°). Isso quer dizer que, enquanto você leva seus filhos para brincar na praça, dois homossexuais poderão se beijar livremente na frente de seus filhos e não poderão ser interpelados! Na mesma pena incorrerá a dona-de-casa que dispensar a babá que cuida de suas crianças após descobrir que ela é lésbica (art. 4°).


Se alguns de nós ousarem pregar sobre Romanos capítulo 1 ou sobre as obras da carne listadas pelo apóstolo Paulo, a menção da palavra “homossexual” poderá colocar o pastor atrás das grades. Condenar o homossexualismo levará a pessoa a ser enquadrada no artigo 8°, (“ação [...] constrangedora [...] de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica”). A punição para o reitor de um seminário que não admitir o ingresso de um aluno homossexual está prevista para 3 a 5 anos de reclusão (art. 5°).


O projeto, aprovado na Câmara em 23/11/2006, agora está em tramitação no Senado Federal. Mais especificamente, o projeto está para ser votado pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH). A relatora, Senadora Fátima Cleide (PT/RO), deu parecer FAVORÁVEL à proposta em 7/3/2007.


O projeto está pronto para ser votado (e aprovado) a qualquer momento. Se convertido em lei (como tanto deseja o presidente da República), estará instaurada no Brasil uma perseguição religiosa sem precedentes causada pela tirania do homossexualismo. Lamentavelmente, os brasileiros, incluindo as autoridades, não se despertaram para a gravidade da situação.


Bem. Eu fiz minha parte. Escrevi aos senadores gaúchos e aos senadores que se dizem cristãos, como Magno Malta e Crivella.


Faz tempo que se ouvem comentários de que a imprensa mundial está controlada pelo pessoal do terceiro sexo — o que se pode perceber em filmes, novelas e defesa dos gays em todo mundo. Nossos juristas estão dando plenos direitos para que casais de homossexuais adotem crianças e as criem como filhos. Agora, invertem-se os papéis: os pais são dois homens ou duas mulheres!


Sinal dos tempos? Sempre imagináramos — nós os pregadores que estamos no ministério há mais de quatro décadas — de que a perseguição à igreja se daria por regimes totalitários de esquerda ou de direita, como aconteceu ao longo da história e como ainda acontece em países totalitários como Cuba, China e Coréia do Norte. Estávamos enganados. A perseguição virá através de leis democráticas em regimes democráticos em que exerce mais influência quem mais se mobiliza. Como os crentes são divididos entre si, e os pastores cada um apenas cuida de seu feudo ou reino espiritual, o diabo se mobiliza para perseguir a igreja utilizando os meios legais, como a democracia.


Depois, não adianta chorar sobre o leite derramado. A lei deverá ser cumprida. E seremos obrigados a deixar os parques e praças, a televisão e os jornais para que eles, os homossexuais, usando dos direitos que têm, façam o que bem quiserem!


Mas, acaso não fomos nós, os milhões de crentes deste país que colocamos no Congresso os deputados e senadores que nos representam? E como nos representam bem! Amanhã, eles retornarão aos púlpitos acenando com benesses para serem reeleitos.


João Batista, o precursor de Cristo proclamaria “Raça de víboras”, e seria decapitado novamente!


Se você é cristão ou pregador do Evangelho, evite ler em público os textos de Romanos 1.18 a 27 e outros mencionados por Paulo: “Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas... (1 Coríntios 6.9). “impuros, sodomitas, raptores de homens, mentirosos, perjuros e para tudo quanto se opõe à sã doutrina... (1 Timóteo 1.10).


Escrevi aos senadores que mandem aumentar o número de cadeias, porque seremos milhões de brasileiros dispostos a morrer para que a verdade continue sendo proclamada!



João A. de Souza Filho é pastor desde 1964 e reside em Porto Alegre com sua esposa. Tem dois filhos e três netos. Viaja por todo o país em conferências em todas as denominações. Sua igreja local é a Assembléia de Deus da cidade de Cachoeirinha na grande Porto Alegre.



# posted by Julio Severo : 11:56 AM
09 Abril 2007
O primeiro embate legal entre igreja e homossexualismo na Inglaterra
Até a Igreja Anglicana, que costuma ser bastante liberal nas questões homossexuais, está agora sofrendo perseguição. Um bispo anglicano, que nada tem contra a contratação de homossexuais não-praticantes para funções dentro da diocese, está sendo processado porque não quis contratar um homem ativamente envolvido em práticas sexuais homossexuais. Assim, com a aprovação da Lei de Orientação Sexual na Inglaterra, agora até os cristãos liberais estão em apuros.


Julio Severo

**************************************...

O primeiro embate legal entre igreja e homossexualismo na Inglaterra
Bispo anglicano está sofrendo processo porque não quis empregar um homossexual sexualmente ativo para trabalhar com os jovens da igreja


Hilary White


HEREFORD, Inglaterra, 5 de abril de 2007 (LifeSiteNews.com) — Numa ação que poderá se tornar um importante precedente legal para a Lei de Orientação Sexual, que foi aprovada recentemente na Inglaterra, um bispo anglicano está no banco dos réus se defendendo por se recusar a empregar um homem que leva um estilo de vida homossexual ativo.


O Rev. Anthony Priddis, bispo anglicano de Hereford, rejeitou a acusação de discriminação injusta, dizendo que ele se recusou a empregar John Reaney para trabalhar com os jovens da igreja porque Reaney confessou estar envolvido em atividade sexual fora do casamento.


Reaney, de 41 anos, de Llandud-no, de Gales, está processando a Diocese de Hereford, afirmando que ele teve um emprego negado porque ele é homossexual. Sua queixa está recebendo o apoio da entidade homossexual Stonewall, o grupo de lobby político notoriamente anticristão em grande parte responsável pela imposição da Lei de Orientação Sexual.


A “orientação” de Reaney não era a questão, disse o bispo, “mas o estilo de vida do sr. Reaney tem o potencial de causar impacto na liderança espiritual, moral e ética dentro da diocese”.


A doutrina cristã de pureza sexual é ainda o ensino e posição oficial da Igreja da Inglaterra, e o Bispo Priddis disse: “O que está em questão é o estilo de vida, prática e conduta sexual, quer o pretendente a emprego dentro da igreja seja homossexual, heterossexual ou transexual”.


“O ensino da Igreja faz distinção entre orientação sexual e prática e estilo de vida”, disse o Bispo Priddis. “Não cometemos discriminação contra o sr. Reaney por causa da sexualidade. Se assim fosse, nem o chamaríamos para uma entrevista”.


Antes da aprovação da Lei de Orientação Sexual, a Lei de Igualdade de 2006 isentava as organizações religiosas das leis antidiscriminação. As igrejas e organizações religiosas fizeram campanhas contra a aprovação da Lei de Orientação Sexual, dizendo que essa lei daria aos ativistas homossexuais poder para processar os religiosos. Mesmo assim, a lei foi aprovada.


O caso Reaney, que poderá se tornar precedente, é considerado o primeiro dos embates legais que ainda se esperam entre direitos homossexuais e direitos religiosos.


Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com.br; www.juliosevero.com


Fonte: LifeSiteNews.com — 5 de abril de 2007.
33 respostas 33