Vedoin tem fita gravada ao vivo com Serra e Alckmin. Além disso, deu entrevista á revista ISTO É que está hoje

Darci e Luiz Vedoin envolvem Serra com sanguessugas Sex, 15 Set - 13h53 Agência Estado Os empresários Darci Vedoin e Luiz Antonio Vedoin, donos da Planam, envolveram o ex-ministro da Saúde José Serra, candidato do PSDB ao governo de São Paulo, no escândalo da máfia dos sanguessugas, em que parlamentares... mostrar mais Darci e Luiz Vedoin envolvem Serra com sanguessugas
Sex, 15 Set - 13h53
Agência Estado



Os empresários Darci Vedoin e Luiz Antonio Vedoin, donos da Planam, envolveram o ex-ministro da Saúde José Serra, candidato do PSDB ao governo de São Paulo, no escândalo da máfia dos sanguessugas, em que parlamentares apresentavam emendas para compra de ambulâncias superfaturadas, liberadas pelo Ministério da Saúde, em troca de propina.

Segundo eles, a distribuição de propinas começou em 1998, durante a gestão de Serra no Ministério. "Naquela época, a bancada do PSDB conseguia aprovar tudo e, no Ministério, o dinheiro era rapidamente aprovado", disse Luiz Antonio, em entrevista publicada na IstoÉ que circula a partir de hoje no País. A assessoria do candidato José Serra não quis comentar a reportagem da IstoÉ, alegando que não teve acesso a ela.


Ainda nesta entrevista à revista IstoÉ, os empresários afirmam que, do total de 891 ambulâncias comercializadas pela Planam entre 2000 e 2004, 681 tiveram verba liberada até 2002, durante a gestão de Serra e Barjas Negri, secretário executivo do Ministério que substituiu Serra quando ele candidatou-se à Presidência da República em 2002.


De acordo com interpretação de alguns membros do Ministério Público, as emendas teriam sido liberadas com mais rapidez após a derrota de Serra nas eleições. O objetivo era pagar as dívidas de campanha.


O esquema


A maior parte das ambulâncias foi entregue em 2002: no total, 317. Além de substituto de Serra e secretário executivo do Ministério, Barjas Negri fez parte da equipe de Serra quando o tucano foi ministro do Planejamento e, em 2004, foi secretário estadual de Habitação em São Paulo. Hoje é prefeito de Piracicaba. "O Barjas Negri é o braço direito do Serra", acusou Darci.


"Na época deles o nosso negócio era muito mais fácil. O dinheiro saía muito mais rápido. Foi quando mais crescemos", disse Darci à revista. "A confiança do pagamento era tão grande que chegamos a entregar cento e tantos carros apenas com o empenho do Ministério, antes de a verba ser liberada."


Beneficiados pela delação premiada, Darci e Luiz Antonio apresentaram uma relação de emendas liberadas até 2002 que atenderam a seus interesses, além de extratos bancários para comprovar as acusações. Segundo eles, Abel Pereira, empresário da construção civil de Piracicaba, cidade hoje administrada por Barjas Negri, falava em nome do então ministro e era o principal operador do Ministério, apesar de não ser funcionário. Ele recebia 6,5% do valor de cada emenda.


"Quando o Serra era ministro, as operações eram feitas por parlamentares. Quando o Barjas deixou de ser secretário executivo e assumiu o comando do Ministério, Abel passou a ser o responsável pela liberação dos recursos, apesar de não possuir nenhum cargo naquela Pasta", disse Luiz Antonio.


Eles apresentaram cópias de 15 cheques emitidos pela Klass, empresa dos Vedoin, que teriam sido entregues a Abel e somam R$ 601,2 mil. "(Abel) falava que (o dinheiro) era para o ministro", disse Luiz Antonio.


O dinheiro era depositado também em contas de pessoas jurídicas e físicas indicadas por Barjas Negri. Dois depósitos no valor de R$ 66,5 mil e um de R$ 33,5 mil foram feitos no dia 27 de dezembro de 2002 em uma empresa chamada Kanguru, fechada no início de 2003. A empresa Datamicro Informática recebeu dois depósitos, um de R$ 70 mil, em 19 de dezembro de 2002. A Império Representações Turísticas também recebeu dois depósitos, um de R$ 60 mil em 18 de dezembro de 2002. Os procuradores vão agora rastrear o destino desses cheques.


Negociação de denúncias


Os Vedoin negaram que estão negociando a liberação de nomes para a Polícia Federal e o Ministério Público devido ao ano eleitoral. Eles disseram que a operação foi deflagrada pela PF e que há um acordo com o MP e a Justiça para só fazerem acusações se tiverem documentos que as comprovem. "Vou entregar todos aqueles contra os quais eu conseguir reunir provas. Vou cumprir isso, independente do partido, Estado ou qualquer outra situação. Vou entregar todos que eu puder comprovar o acontecimento", disse Luiz Antonio.


Ele afirmou que só agora conseguiu os documentos apresentados e foi pessoalmente ao banco pedir os extratos, pois a CPI encontrou dificuldades para quebrar seu sigilo bancário. Os Vedoin temem ser prejudicados por manobras políticas que possam provocar a perda dos benefícios legais obtidos pela delação premiada e tenham que voltar à prisão, onde ficaram por 80 dias neste ano.


Mais uma vez, eles se assumiram culpados, mas acusaram o governo anterior de ser o maior responsável pelo esquema. "Temos culpa sim. Mas o grande culpado foi o governo lá de trás, que vem fazendo tudo isso e nos deu a oportunidade de fazer. Podem pegar todos os telefonemas e verão que eu não ligo para nenhum parlamentar. Eram eles que ligavam para nós", finalizou.

Envie para um amigo CAMPANHA PRESIDENCIAL
Candidatos | Notícias | Fotos

ESTADOS
• São Paulo • Pernambuco
• R. de Janeiro • Rio G. Sul
• Minas Gerais • Bahia

• Acre • Pará
• Alagoas • Paraíba
• Amapá • Paraná
• Amazonas • Piauí
• Ceará • Rio G. Norte
• Distrito Fed. • Rondônia
• Espírito Santo • Roraima
• Goiás • S. Catarina
• Maranhão • Sergipe
• Mato Grosso • Tocantins
• Mato G. Sul

MAIS BUSCADOS
Busque notícias sobre:
1. Lula
2. Geraldo Alckmin
3. Heloísa Helena
4. Cristovam Buarque
5. José Maria Eymael

YAHOO! RESPOSTAS
• Quais são as vantagens de ser mesário nas eleições?
• O que acontece se o voto nulo ganhar as eleições?Busca: Avançada Yahoo! - Meu Yahoo! - Email
2 respostas 2